31 março 2008

juventude prodigiosa

No «Prós e Prós», um senhor de barbicha (provavelmente um insigne pedagogo e cientista social das Ciências da Educação) está a dissertar longamente sobre a «escola», a disciplina e o papel do professor na compreensão dos «jovens». Jovens que ele garante não terem nada a ver com os das gerações anteriores. Completamente diferentes! Verdadeiros marcianos verdes, provavelmente.

sos professor

Não deixa de ser bizarro que num debate sobre a violência escolar, no meio de tanto génio desperdiçado (onde o CAA teve, até agora, a única intervenção sensata da noite), não esteja presente o Prof. João Grancho, responsável pela Linha SOS-Professor. Ele, melhor do que ninguém, poderia explicar quantos telefonemas recebe o serviço por dia, e que tipo de participações são feitas. No fim de contas, se a violência e a indisciplina na escola são um problema generalizado, ou se o «caso Carolina» é, como todos parecem crer, um episódio isolado.

Mom



It's for you.
Many thanks for everything.

the day your mother dies


Mom, where are you going?

war of propaganda

Although seventeenth century Spain and Portugal, the two most Catholic countries in the World, had the two biggest empires on Earth, the truth is that they lost the propaganda war that was waged against them and Catholicism by Protestants and Jews from Northern Europe.

The Protestant Reformation and the French Revolution were, first of all, battles of ideas against Catholic culture and the two countries, and their empires, which represented it best - Spain and Portugal. It was a silly war of propaganda involving lies, exaggerations, stereotypes and myths of all sorts, some of them prevailing still today. Spanish and Portuguese intellectuals failed miserably at it and were defeated.
.
It was under the full influence of their Catholic culture that, starting in the late fifteenth century, Portugal and Spain built two large overseas empires. From 1580 onwards when the two countries were reunited again under Filipe II, Spain had the biggest empire the World has ever seen. And yet, Spanish and Portuguese intellectuals were not able to defend the culture and values which enabled them to fly so high. Instead, they surrendered and, in some cases, they actually joined the enemy.

From the mid-eighteenth century, at least, it was already clear in the writings of Portuguese intellectuals and politicians that what is good is what is foreign to them, usually coming from France, Germany and England - ideas, institutions, even dress and manners. By contrast, what is Portuguese and Catholic had no value to them. In this respect, the whole of the nineteenth century and the first quarter of the twentieth century is a tragedy of gigantic proportions with the likes of Eça de Queirós and Antero de Quental.

This attitude of defeat and surrender by Portuguese intellectuals and politicians mixed with the most uncritical admiration for what is foreign and the most intense disdain for their own people and culture, is still prevailing today in Portuguese society. It is, in my view, the most important single factor in the country's present day social and economic difficulties.

vira-casacas

Within the operation of democratic institutions, too, we want expressions of the values that concern us and that bind us together. The libertarian position I once propounded now seems to me seriously inadequate, in part because it did not fully knit the humane considerations and joint cooperative activities it left room for more closely into its fabric.
It neglected the symbolic importance of an official political concern with issues or problems, as a way of marking their importance or urgency, and hence of expressing, intensifying, channeling, encouraging and validating our private actions and concerns towards them. Joint goals that the government ignores completely – it is different with private or family goals – tend to be unworthy of our joint attention and hence to receive little.

Para Nozick, a perspectiva libertária analisa apenas o objectivo dos governos, não o seu significado, e assim acaba por limitar o âmbito dos objectivos. Em termos sucintos, eis a explicação do volte-face politico de Nozick. A necessidade de uma assumpção colectiva de valores (como a educação ou a saúde) que a maior parte dos indivíduos preza e que sem essa expressão tenderiam a ser descurados.

Parece-me que compreendo o ponto de vista exposto, mas discordo totalmente. Para garantirem direitos económicos, por exemplo, os governos envolvem-se em vastos programas de redistribuição de riqueza que, em última análise, violam os direitos cívicos fundamentais e acabam por eliminar qualquer legitimidade politica.
Outras instituições, como a Igreja, podem assumir a defesa dos valores colectivos que prezamos e zelar pela sua assumpção colectiva, de forma mais eficaz e justa, sem comprometer a isenção politica e o propósito dos governos.

30 março 2008

thrice or the undermining of Christianity


Almost a year ago I wrote that when it comes to social ideas originating from Jewish intellectuals I take twice as much precaution in accepting them as I usually do when they come from different sources. I must admit that since that time I have changed my position. I take now thrice as much precaution.

Those ideas include Marxism, Rand's Objectivism, Mises' Liberalism, Rothbard's Anarchism, at least. I do not mean to reject all the ideas put forward by these authors. On the contrary, I consider that on specific issues all of them made significant contributions to social thought. I mean that I would not like to live, and I would not recommend anyone to live, in the societies whose blueprints they have developed for us.
.
All such blueprints are revolutionary, overly rationalistic and atheistic. Their proposed societies do not have a God, much less a religion. If civilization is indeed based on religion, much more than reason and science, theirs would be impossible societies to live in, most likely true infernos. Actually the Marxist blueprint was already put in practice and failed. I fear the other would produce similar results, if not worse.
.
A different question is to know why Jewish intellectuals like those mentioned above are so often the authors of those impressive, extremely rational blueprints which, if adopted in practice, would contribute to imporevish, if not to destroy, our mostly Christian civilization. I must say that I do not believe they do it on purpose. Actually, I believe that the undermining of Christian civilization is congenial to Jewish culture ("está-lhes na massa do sangue", as the Portuguese people would say in their wisdom).
.
Voltaire, who did more than any other Western intellectual to grant freedom of expression to the Jews, shared this view. French Jewish writer Bernard Lazare referring to the role Jews played in the creation of eighteenth century secret societies and Free Masonry, which were instrumental to the success of the French Revolution, wrote in 1894:
.
"(...) secret societies gave expression in a way to the two fold nature of the Jew, on the one hand a rigid rationalism, on the other that pantheism which, beginning as the metaphysical reflection of the belief in one God, often ended in a sort of Kabbalistic theurgy. There would be little difficulty in showing how these two tendencies worked in harmony; how Cazotte, Clagliostro, Martinez, Saint-Martin, the Compte de Saint Gervais and Eckarstshausen were practically in alliance with the Encyclopedists and Jacobins, and both, in spite of their seeming hostility, succeeded in arriving at the same end, the undermining, namely, of Christianity".
(Bernard Lazare, Anti-Semitism: Its History and Causes, The University of Nebraska Press, 1995, pp. 153-4).

to religion, not to reason and science


It is the last chapter of the last book by Friedrich Hayek. It is a five-page chapter titled Religion and the Guardians of Tradition. It was written by an eighty-nine year old man who had spent his life trying to lay down the rules for a better society where religion was always kept excluded.

He knew that for the majority of his followers it would be a shock. He begins the chapter writing:

"In closing this work, I would like to make a few informal remarks (...) about the connection between the argument of this book and the role of religious belief. These remarks may be unpalatable to some intellectuals because they suggest that, in their own longstanding conflict with religion, they were partly mistaken - and very much lacking in appreciation".

And then the key paragraph of the chapter:

"In any case, the religious view that morals were determined by processes incomprehensible to us may at any rate be truer (even if not exactly in the way intended) than the rationalist delusion that man, by exercising his intelligence, invented morals that gave him the power to achieve more than he could ever foresee. If we bear those things in mind, we can better understand and appreciate those clerics who are said to have become somewhat sceptical of the validity of some of their teachings and who yet continued to teach them because they feared that a loss of faith would lead to a decline of morals. No doubt they were right; and even an agnostic [like himself] ought to concede that we owe our morals and the tradition that has provided not only our civilization but our very lives, to the acceptance of such scientifically unacceptable factual claims." (F.A. Hayek, The Fatal Conceit: The Errors of Socialism, Chicago, The University of Chicago Press, 1988, pp. 135, 137; bold mine) .
.
In other words, we owe our lives and our civilization to religion, not to reason and science.
.
Actually, in the post here I tried to suggest where a rational system of morals like that Ayn Rand and her Objectivist followers tried to build might lead.
.
Rand could justify on rational, moral grounds to her husband Frank, her soon-to-be lover Nathaniel and his wife, Barbara, the logical necessity of entering into an affair with her disciple, more than twenty years her junior. She went further to set rationally the conditions under which the affair would take place. They would meet twice a week in her appartment, one aftertoon and one evening. Her husband was supposed to leave on those occasions.

Obviously, the love affair based on her rational system of morals ended badly for the four people involved. It illustrates, however, where this revolutionary, rationalistic and atheistic intellectual attitude usually leads. It seems to me an attitude congenial to Jewish intellectuals. You find it in Rand, you find it also in Marx.

Jews and atheism



For a number of years I have been noticing that an inordinate amount of books published on atheism are written or edited by Jewish authors. At some point in time I even formulated the hypothesis that the Judaic religion produced a more than proportional share of atheists relative to other religions.

Soon I would discard this hypothesis. If anything, Judaism produces proportionately fewer atheists than other religions. The reason is the extraordinary strength of religious bonds among the Jewish people which enabled them to survive and prosper for millenia sometimes in the face of great adversity.

This led me to return to and make more prement my first question: how come, then, than a more than proportionate number of atheistic authors are Jews? I think that I now have the answer which I submit to my readers as a thesis.

First, try to look at the contents of the books on atheism that are written or edited by Jewish authors (most of these are published in the US). You would expect that their attacks and ridicule on religion would be directed mainly at Judaism, if not for other reasons because, being their native religion, it is the one these authors know better.

You will be surprised, though. The attacks and ridicule on religion contained in those books are mostly, if not exclusively, directed at Christianity and Catholic Christianity in particular. Strange, isn't it?

Not so if you subscribe to my thesis:

Atheism has often been an intellectual disguise for Jews to attack and offend Christianity.


In other words, a fair number of Jewish authors who claim to be atheistic are not atheistic at all. That is simply the label they put on themselves to feel free to attack Christianity and the Catholic Church.

a queda

No seu livro “The Examined Life”, Robert Nozick dedica todo um capítulo ao Holocausto. O genocídio de dois terços dos judeus europeus é um acontecimento tão grave que ainda não nos é possível avaliar completamente o seu significado:

“I believe the Holocaust is an event like the Fall in the way traditional Christianity conceived it, something that radically and drastically alters the situation and status of humanity.”
“I do not claim to understand the full significance of this, but there is one piece, I think: It now would not be a special tragedy if the humankind ended.
Humanity has lost its claim to continue.”

Nozick alerta-nos para o valor simbólico do Holocausto enquanto representação colectiva da predisposição humana para a prática do mal e neste caso de uma espécie de Mal Absoluto. Ora poderá uma espécie animal, com esta predisposição para o Mal, aspirar a um estatuto de superioridade sobre qualquer outra espécie?
Esta interpretação de Nozick interessou-me porque nunca tinha reflectido sobre o Holocausto enquanto arquétipo do mal. Apenas me limitava a tentar compreender os factos históricos. É porém razoável aceitar que na cultura ocidental o Holocausto, pela sua mediatização, possa ter adquirido esse estatuto.

Já relativamente à dedução de Nozick de que com o Holocausto a humanidade perdeu qualquer direito à continuidade, discordo. O homo sapiens não pode pressupor quaisquer direitos preconcebidos sobre o universo em que vivemos. Outras espécies de hominídeos compartilharam este planeta connosco e desapareceram, como por exemplo os Neandertais.
A luta da nossa espécie pela eternidade deve ser um esforço diário e partir do pressuposto que nada está garantido. O simbolismo do Holocausto serve porém para compreendermos os perigos que nos ameaçam.

the like of Jorge Coelho


In earlier posts I have been arguing that for the last few centuries the Catholic Church has been some kind of a big elephant which everybody feels free to abuse and mistreat with impunity.
.
I have been thinking about solutions to cope with this situation. One solution that occured to me was for the Vatican to hire someone the like of Jorge Coelho who would announce to the World in no ambiguous terms:

"Quem se mete com a Igreja Católica, leva. Specially Protestants and Jews."

little Pedro


When I recently attended a conference by the Brazilian ambassador to CPLP on the origins of Brasil I was quite impressed with a small detail that has to do with Portuguese history.

Contrary to the huge Spanish colony of Latin America which upon independence split in several countries like Mexico, Venezuela, Argentina, Chile, Perú, etc., the Portuguese colony kept its territorial unity so that Brasil is today the biggest country in South America. Why?

The reason is that after his departure back to Portugal in 1821, Portuguese king D. João VI left his successor in Brasil. It was the successor to the Portuguese throne, later king D. Pedro IV, who proclaimed the independence of Brasil, becoming Emperor D. Pedro I of the new country. This fact might be unique in history: the independence of the colony is proclaimed by the successor to the throne of the imperial power.

There is more to it, though. When D. Pedro IV returned to Portugal upon the death of his father he left his five-year old son Pedro in Brasil. As the mother of the child had already died this might have been a very difficult decision for his father to take. Neverthless he took it. When little Pedro got to the age of fourteen he was proclaimed Emperor D. Pedro II of Brasil and he ruled for fourty-nine years in a row. The unity of Brasil was granted thanks to Portuguese political ingenuity and sense of duty.

shit


Dear súbditos,

This is a post about no-fault divorce. Let me first reiterate that I consider you a very nice and decent people. Having said that, let me add that no people in the World is perfect and you are not either. One of your shortcomings has to do with your class of intellectuals and, may I add, politicians. It is my feeling that, as a general rule, they are always ready and willing to import any piece of intellectual shit from abroad even when it has already putrefacted in its country of origin.

Hayek on no-fault divorce

Friedrich Hayek, the famous liberal economist and Nobel laureate, anticipated in almost sixty years the enthusiasm of Portuguese Bloco de Esquerda for no-fault divorce. He actually did to his wife and children the same as Antonio did here.

He had married Hella in Catholic Austria in 1923. In 1931 they moved to London where they would live together for the next eighteen years. They had two children, one son and one daughter.
.
In 1949 Hayek abandoned his wife and children in London and fled to the United States with a youth sweetheart from Viena named Helene, his second cousin. Before settling in Chicago where they would live for the next ten years, they went to Arkansas where they lived for a few months. The reason was that Arkansas was one of the few states in the US which had no-fault divorce legislation at the time. It was in Arkansas that he divorced from his wife of twenty-seven years against her will and married Helene.

Family friends in London were so upset that some of them never spoke to Hayek again. This was the case of Lionel Robbins, the famous British economist, who had hired him at the London School of Economics.

29 março 2008

violência escolar

O Insurgente revela-nos mais um caso de violência escolar. De escandalosa, dramática e indizível violência gratuita, muito para além do que é legítimo a um ser humano tolerar. Esperemos que neste caso, onde há, ainda por cima, confissão dos responsáveis, o PGR actue e não deixe tudo em águas de bacalhau, como fez no caso Bexiga vs. Carolina Salgado. Que abra o necessário inquérito e não se fique apenas pela jovem traumatizada e socialmente vulnerável do filme do Carolina. Em Portugal a justiça não pode ter filhos e enteados!

Janice


No-fault divorce has now been discussed in Parliament and it has the support of some left-wing parties. This is the kind of liberalism that sees liberty as the right to do as a man pleases rather than as the right to do as he ought to do. Unfortunately, modern liberals such as Mises, Rand, even Hayek, share a lot of responsibility in spreading this kind of liberalism which, as it is now clear, often pleases the left.

No-fault divorce works the following way. One day António meets a beautiful blond. That evening, he gets home and tells his wife and children: "Bye-bye, I am going to live with Janice".

a big elephant


When in my previous post I argued that the abuses of government and socialism can only be contained by an alliance with the Church I do not mean that lay people must become religious, much less practicing Catholics, to carry out that entreprise.

As I have been trying to show, everybody feels free to abuse the Catholic Church. This is not a new phonomenon. It has been going on since the Reformation and intensified after the French Revolution. Even though some historical charges against the Church are true and regrettable - as the Church is made by men, not by God - most of them are pure lies or greatly exaggerated (the Inquisition being the most obvious example in this last respect).

Over the last few centuries, Protestants, Catholics, even Jews - these latter who do not admit any criticism of their culture and religion - all feel at ease to deprecate the Catholic Church and the Catholic culture and make it look bad. The Church has become some sort of a big elephant at which even the most incompetent of anti-religious shooters can claim that he shot on target. As Professor Jenkins has written, anti-Catholicism remains the only acceptable prejudice in modern society.

One of the most prevailing prejudices against the Church is its dogmatism. And yet the Church has been in need of intellectual and doctrinal help from without for a long time. Pope Benedictus XVI, for one, has repeatedly called for lay people to help the Church deal with the problems and complexities of modern life. Thus, when I talk about an alliance with the Church I do not mean the subalternization of any of the parts involved, but rather an association of equals between lay people and churchmen.

deadly wrong


I have been impressed over the last few years by the number of people who long for what they call the reorganization of the political right in Portugal. They are looking for a political mouvement capable of containing the excesses and abuses of government in the economy and in society at large. They have repeatedly failed in their endeavours. Why?

Because they have neglected, if not despised and aggressed, the only institution which throughout history has shown to have the capability, the experience and the force to contain the excesses and abuses of governments. Unless they join forces with and rally around that institution they will keep failing. And yet, that institution is very much at hand. It is the Catholic Church. (See Lord Acton on this matter in this post).

In Spain, people start to understand this historical truth. In Portugal, not yet, as many right-wing intellectuals and politicians make it a point of despising and insulting the Church. Make no mistake: without an alliance with the Church you go nowhere. If you think that the liberal philosophies of Ayn Rand, Mises or Hayek are a good substitute for that alliance you are deadly wrong.

They turn against Catholicism


Ayn Rand is in several respects a typical Jew and Objectivism a typical Jewish philosophy. First, her radical defense of individualism. Second, her rebellion against all forms of authority (except her own as she was quite an authoritarian and intolerant person). Third, her radical rationalism. Fourth, her admiration for material achievements in life. Fifth, her sense of living in a ghetto: she formed a group of intellectuals called The Collective, most of them Jews (former Fed chairman Alan Greenspan included) who saw themselves as revealing the truth to the World in the face of generalized hostility towards them.

However, the most interesting aspect of Rand's Jewishness has to do with her atheism. Having been born in a Jewish family, at the age of sixteen she wrote in her diary that she had decided to become an atheist. Indeed, she remained a self proclaimed atheist for the rest of her life. As with all converts, she actually would become ferociously anti-religious in her adult life.

The interesting point is the following. If this conversion to atheism had occured, say, with a Portuguese person born in a Catholic family, her anti-religious sentiments would have been directed against the Catholic Church, the Pope and the priests, Catholic sanctuaries and miracles. Do not expect the same from Jews. When they become atheists, usually they do not turn against Judaism. They turn against Catholicism. Ayn Rand was no exception.

Objectivism


Ayn Rand's philosophy of Objectivism is one of the currents of modern liberal thought. Briefly, this philosophy holds that reason is the sole instrument to interpret and deal with reality. It is radically individualistic and anti-religious. Ayn Rand was militantly atheistic and her diatribes against religion were mainly directed (you guess) at the Catholic Church. She aimed at replacing a moral system based on reason for the traditional system of morals inspired on religion (see how that works in the post below). Born in Russia of Jewish parents, she emigrated to the Unites States at the age of 21, where she became famous. Objectivists are also uncompromising defenders of capitalism.

a sorceress of reason


I hesitated about the title of this post: a sorceress of reason, reality is reality, a radical liberal at work, a rational morality.

Now, the post:

"Ayn went on talking for a very long time, amplifying her argument in such a way that the validity of what she was saying seemed more and more self-evident. She was a sorceress of reason. (...)"

"This converstation [involving Ayn Rand, her husband Frank, her soon-to-be lover Nathaniel Branden and his wife, Barbara] took place in November 1954 (...) Ayn´s and my cruelty did not lie in falling in love not even, primarily, in pursuing an affair. The cruelty lay in how we dealt with the matter: our lack of genuine empathy or compassion for Frank and Barbara's predicament. (...)"

"Ayn's and my affair began - sexually - five months later, in January 1955. (...)".
.
"It was obvious that some part of [Barbara's] motivation in agreeing to the affair was expiation for not loving me more (...)".
.
"Some months after the affair had begun, I asked Ayn how Frank was taking it (...)".

"Often Frank would be leaving as I arrived; we would shake hands. Ayn would kiss him good-bye, and he would depart. She could not understand why this sometimes left me strained and on edge for the next hour or two. 'What's the matter with you today?' she would ask, and when I would explain, she would say, 'Well, I don't like it either, but reality is reality'.
What neither of us suspected, and what I would not learn until many years later, was that Frank's usual destination when he left the apartment was a nearby bar - and that he was becoming an alcoholic".
(Nathaniel Branden, Judgement Day: My Years with Ayn Rand, Boston: Houghton Mifflin Co., 1989, pp. 156-66)

wide divergence

"There is a wide divergence, an irreconciliable disagreement, between the political notions of the modern world and that which is essentially the system of the Catholic Church. It manifests itself particularly in their contradictory views of liberty and of the functions of the civil power. The Catholic notion, defining liberty not as the power of doing what we like, but the right of being able to do what we ought, denies that general interests can supersede individual rights."
(Acton, op. cit. p. 613) .

we all are immigrants

Robert Nozick é um dos grandes nomes do pensamento libertário moderno e o seu bestseller “Anarchy, State and Utopia” é de leitura indispensável. Como todos os autores libertários, Nozick escreve de uma forma simples, directa e compreensível. Uma grande mais-valia para quem gosta de pensar.
Quando na semana passada recebi da Amazon o seu livro “The Examined Life”, comecei a devorá-lo de imediato. Em primeiro lugar pelo autor e em segundo lugar pelo tema, Sócrates foi o primeiro a afirmar que “a vida que não é examinada não vale a pena ser vivida” e eu tenho-me pautado por esta máxima. Ora o que teria pensado Robert Nozick sobre a vida?
Muita coisa que seria interessante aqui mencionar mas de que, para além de recomendar o livro, apenas irei referir, nos próximos posts, o seu entendimento sobre o papel do holocausto na história (Nozick tem ascendência judaica) e a sua mudança de opinião sobre o libertarianismo, que Nozick (para minha grande surpresa) acabou por considerar deveras inadequado. É útil avaliarmos os seus argumentos.
Temos muito a aprender com Robert Nozick e devemos manter o espírito aberto a novas perspectivas. Não esqueçamos, como disse Nozick, que: No mundo do pensamento, somos todos imigrantes!

Lady Liberty


Liberty does not exist in the sense of Lady Liberty, but the idea of Liberty does exist and that is all that matters.

28 março 2008

Justice does not exist



The fact that a society without God never existed does not prove the existence of God. It proves, though, the foolishness of the outspoken atheistic position in social thought which tries to build a society against all possible empirical evidence.

It does also prove the existence of the idea of God. Since no society has ever lived without this idea I am afraid to conclude that the idea of God is the most important and the most extraordinary idea of the human mind.

Dawkins' god, that being endowed with human features and fragilities, could never be a god. I doubt that he could even be eligible to the status of a decent human being. I thus believe that people like Dawkins are quite successful in proving the nonexistence of an impossible god.

The importance of God lies in the idea, not in its factual existence. (Actually if you were ever able to prove the existence of God It would cease that moment to be a God). The same occurs with Justice or Liberty. Can you prove the factual existence of Justice? You cannot. Do you have an idea of Justice? You certainly do and that is what matters. For it is the idea of Justice only - not its factual existence, which you cannot prove - that determines your behaviour, your decisions to act or not to act, and leads you to live and fight for a more decent, humane, better society.

Would you take me serious if I were to write a book depicting Justice as a lady dressed in white with a scale in her hands and then proving that such lady named Justice does not exist? Certainly not. Yet, would you doubt that you have an idea of Justice? You surely wouldn't. And that is all that matters. The same holds for God and in a more important way, because without the idea of God the idea of Justice would itself be impossible.

A Batalha Final


Dentro da análise monetária que tenho vindo a expôr em posts recentes, nos últimos dois dias o FED voltou a dar passos em falso no que diz respeito ao valor da sua divisa...continua a injectar dinheiro à barda. Na minha análise, o preço de equilibrio no EUR/USD passou para 1,6370. Neste momento, o cross está ligeiramente acima de 1,58. Veremos como reagem os mercados financeiros na próxima semana. E veremos como actua o FED. A derradeira batalha relacionada com o subprime - FED contra especuladores - está para breve.
Ps: será que o Bernanke, a exemplo dos intervenientes na famosa série televisiva, também é um ET disfarçado de humano?!

Acton on Church and State



The following are some thoughts of Lord Acton on the subject of Church and State.
.
It was the Church that formed what we call today public opinion:
.
"Force must be met by force. Now the force that can resist the power of government is opinion. The Church supplied that force, guided it, and made it independent of the state. It acted for the formation of opinion. It was the only power in the West, that could produce it. There was no press, no popular education. No man spoke to the people except the priest. No other influences reached them. (...) So that the force lived in the Church until public opinion was formed."
.
It was the Church that, checking the powers of governments, produced modern liberty:
.
"Religion developed liberty - by the balance of power".
.
Also:
.
"The limitation of authority in the state by the immunity of a corporation [the Church] strong enough for resistance, permanent in its organization, constant in its maxims, and superior to national boundaries, has been the source of modern freedom".
.
On the separation of Church and State:
.
"Real liberty depends, not on the separation, but on the distinct and appropriate, but continuous action and reaction, between Church and State".
.
The Church as the source of International Law:
.
"Catholicism: The one political idea is that there is a power beyond the state and not coterminous with it. (...). So that is the genuine Catholic action: a church inside and outside - vaster than the state, bringing genuine influence to bear - a force of public opinion, of international law, of arbitration".
(ibid., pp. 611-12).

look at the Catholic Church!


Over the last couple of years I have noticed a serious effort on the part of some Portuguese intellectuals, some of them over the internet, to read, understand and discuss the thought of some proeminent liberal authors, such as Hayek, Mises, Rand, Rothbard, Friedman, Nozick, Berlin, even Tocqueville, Adam Smith and the American Founding Fathers.

There is one liberal author who is rarely, if ever, quoted: British historian Lord Acton whom Hayek considered the greatest intellectual liberal ever. This neglect might be due to the fact that Acton was a devoted Catholic who, among other things, wrote the following statement:

"Church as a political model: Nearly all of the elements of modern Liberty prefigured in her: Election, Representation, Equality, Tradition, Absence of arbitrary power, Local self-government, Money for the poor, Humanity in punishment, Deliverance of slaves, no Legislator, Trial by one's peers".
(J. Rufus Fears (ed.), Selected Writings of Lord Acton: Essays in Religion, Politics and Morality, vol. III, Liberty Classics: Indianapolis, 1988, p. 612).

If I understand him well what he says is: if you want to build a liberal society look at the Catholic Church!

just in America?


"Philip Jenkins, distinguished professor of history and religious studies at Pennsylvania State University, has called anti-Catholicism the one remaining acceptable prejudice in America".
(Thomas E. Woods, Jr., How the Catholic Church Built Western Civilization, Wahington, DC: Regnery Pub., Inc., 2005, p. 1).

Oh, just in America?

Redução do IVA aquém do necessário (*)


A redução do IVA em 1 ponto percentual para 20% é bem vinda. Contudo, fica aquém daquilo que é necessário em Portugal, ou seja, uma revolução fiscal.

De acordo com a Direcção Geral do Orçamento, a receita fiscal efectiva em Portugal foi em Fevereiro de 6,6 mil milhões de Euros distribuídos da seguinte forma: IVA 43% (da Receita fiscal total), IRS 25%, IRC 4%, Imposto sobre produtos petrolíferos 7%, Imposto sobre tabaco 2%, Imposto de selo 5% e outros 14%.

Dito isto, deixem-me sublinhar novamente: uma redução de impostos, IVA incluído, é sempre bem vinda. Mas, estrategicamente, a redução do IVA é menos eficaz do que a redução ou eliminação de outros impostos, em particular os impostos directos (IRS e IRC). Por duas razões:

Primeiro, o impacto político e empresarial associado à redução do IRS e do IRC é maior do que aquele associado à redução do IVA. Porque os cidadãos e os empresários, na sua vida quotidiana, sentem o IRS e o IRC de forma mais directa e, por isso, são menos sensíveis às oscilações do IVA. É verdade que a redução do IVA torna o consumo mais acessível. Porém, o problema estrutural da sociedade portuguesa é precisamente o consumo desenfreado que, por sua vez, conduz ao endividamento excessivo da população. As famílias portuguesas, em geral, vivem uma situação orçamental deficitária, por isso, baixar um imposto – o IVA – que apenas fomenta o consumo é uma má medida macro económica. O caminho a seguir deveria ser a redução dos impostos que permitem estimular a poupança das famílias e o investimento das empresas, ou seja, baixar o IRS e o IRC, respectivamente.

Segundo, a redução de receita fiscal associada à baixa do IVA é superior àquela que o Estado perderia se tivesse reduzido o IRS e o IRC. Porque o IVA é o imposto que mais receita dá ao Estado e aquele que é mais fácil de cobrar. Para receber o IVA, as Finanças têm apenas de fiscalizar o acto da compra e da venda de bens e serviços. E, em simultâneo, de exercer sobre a população geral uma acção pedagógica no sentido de que as pessoas peçam sempre factura ou recibo. Para receber o IRS e o IRC, as Finanças têm de actuar sobre múltiplos factores e combater diversos esquemas de evasão fiscal. Reduzir o IVA em vez de reduzir o IRS e o IRC é um mau negócio para o Estado. Representa menos dinheiro para os cofres públicos e uma má utilização dos recursos humanos ao serviço do fisco.

A crítica que se faz à estratégia que eu acabo de sugerir, em alternativa àquela seguida pelo Governo, é de que o IVA penaliza as famílias com rendimentos inferiores que tendem a gastar uma percentagem maior do seu orçamento disponível em bens de consumo. Contudo, esta questão é facilmente ultrapassada através da adopção de diferentes escalões de IVA consoante o nível de necessidade dos vários bens consumidos. Como, aliás, já se faz hoje em dia com o IVA aplicável aos bens de primeira necessidade.

Conclusão: a redução do IVA é bem vinda, mas representa um passo meramente simbólico e enquadrado numa estratégia fiscal mal pensada.

(*) artigo publicado no jornal “24 horas” a 28 de Março 2008

Could you please name


To the atheists:

You often deny the existence of God on the grounds that it is not possible to prove empirically (i.e, scientifically) His existence. Fairly enough.

Now, show us your care for empiricallly demonstrable facts or theories, like atheism, trying to answer the following question:

Could you please name at least one human society or civilization either past or present which has no God?

I am not asking too much: just one.

27 março 2008

Evaluation of teachers

The recent discussion about the evaluation of teachers ended as it usually ends any discussion in the country. The proposed solution is generally rejected, but no alternative, consensual solution emerges.

There are two questions on this matter:

First, should teachers be evaluated?

Yes, they should.

Second, how should teachers be evaluated?

The answer to this question is centuries old. Teachers should be evaluated by other teachers who are their seniors.

(Let me anticipate the answer to one possible question of my readers: how does one evaluate the most senior of all teachers, those who have reached the top of the hierarchy? The answer is: by their own conscience, that is by God).

cortar o mal pela raiz

Uma das primeiras coisas que se aprende em cirurgia é a analisar situações clínicas concretas e a decidir em função dos dados disponíveis. Após uma avaliação cuidadosa, o cirurgião elabora, e executa, um plano de tratamento específico para cada caso. Muitas vezes os diagnósticos são estabelecidos com base em poucos elementos diagnósticos e portanto a margem de erro é maior, mas o cirurgião não se deve afastar do curso definido até surgirem dados incontestáveis de que é necessário mudar de rumo.
Um caso paradigmático é o de um doente com uma simples apendicite aguda. O diagnóstico é estabelecido com uma elevada margem de erro, mas uma vez decidido operar prossegue-se com absoluta convicção. O apêndice é removido, apesar de estar normal em 10 a 20% dos casos, e o tratamento prossegue de acordo com o plano traçado. Não é boa prática protelar a operação à espera de mais dados, nem é possível na dúvida, tirar metade do apêndice.

Esta abordagem prática de situações complexas distingue a cirurgia da medicina e estabelece um paradigma para muitas outras situações concretas. Daí se falar com frequência de uma abordagem cirúrgica de problemas muito diversos.

E vem esta treta toda a propósito da baixa do IVA em um ponto, de 21 para 20%. No meu ponto de vista é um erro crasso. Parte da análise de uma situação extremamente complexa e volátil, como é a situação económica actual, constata a necessidade de uma intervenção que estimule o desenvolvimento, mas depois fica aquém do necessário. Tirou-se um terço do apêndice...
É uma actuação pouco cirúrgica e de resultados duvidosos. O impacto real sobre a economia é escasso, mas o impacto sobre as expectativas é grande. Transmite a ideia de pânico no Governo e antecipa problemas ainda para 2008. Ora estas expectativas têm o efeito contrário do que se pretende e mais do que neutralizam a diminuição do IVA. E depois que necessidade havia de anunciar a medida a prazo? Porque não imediata?

Teria sido útil um regresso aos 19% do IVA, um corte no IRC e talvez um reembolso fiscal para as famílias de menores rendimentos. Os pequenos passos mostram falta de capacidade e o pior é que não resultam. A situação actual não vai lá com aspirinas.

liberal, mas não estúpido

Já há uns dias, sob o mesmo título que este post copiou, Pedro Lomba deu à estampa um artigo onde esclareceu que o projecto legislativo do PS limitador do uso de piercings reflectia uma posição liberal inteligente. Isto, na medida em que cabe ao Estado, segundo Pedro Lomba, a atitude moralizadora de «racionalizar de algum modo as (...) escolhas» absurdas de alguns cidadãos. Entre elas, naturalmente, meter piercings na língua. Defender o contrário, o uso livre desses execráveis adornos, até pode ser liberal, mas é certamente estúpido.

Hoje, Pedro Lomba volta a zurzir no estúpido do capitalismo e nas suas crises absurdas, como a que vivem actualmente os mercados financeiros, cuja explicação ele atribui aos «governos e (...) políticos que desregulamentaram os mercados financeiros e não intervieram a tempo para abortar a espiral de loucura». Ser liberal inteligente é, pois então, exigir a regulamentação política dos mercados financeiros, para evitar crises estúpidas. Ser liberal estúpido é pretender o inverso. Claro.

Apesar da explicação adiantada, Pedro Lomba considera-se ainda pouco esclarecido sobre essa crise, ou melhor, não compreende as explicações, sempre contraditórias, que os liberais estúpidos costumam inventar nestas ocasiões. A fim de lhe poder ser útil, sugiro-lhe a leitura deste brilhantíssimo texto de Luís Aguiar Santos. É certo que trata de uma outra crise, também ela estúpida, do capitalismo, mas se o ler até ao fim com atenção, verá que ajuda.

26 março 2008

os problemas da constituição de 76

1. O texto constitucional português em vigor data, na sua versão original, do ano recôndito de 1976. Foi produto de uma Assembleia Constituinte eleita em pleno PREC (Processo Revolucionário em Curso), isto é, no auge da radicalização da revolução do 25 de Abril de 1974, numa eleição ocorrida em 25 de Abril de 1975, que por pouco esteve para não acontecer. Sobre ela foram já realizadas sete revisões, sendo a última do ano de 2005.

2. A sua personalidade resulta exactamente do espírito do tempo em que foi feita. O preâmbulo, ainda hoje conservado, não deixa lugar a dúvidas: a Constituição visava as seguintes finalidades: «defender a independência nacional, garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, estabelecer os princípios basilares da democracia, assegurar o primado do Estado de Direito democrático e abrir caminho para uma sociedade socialista». Ou seja, a CRP de 1976 define-se como um instrumento para a criação de uma «sociedade socialista». Daqui decorrem muitos dos seus defeitos ainda hoje sentidos, apesar de várias das revisões do seu texto lhe terem atenuado essa tónica.

3. Para todos os efeitos, a nossa Constituição é marcadamente ideológica e programática. Isto significa que ela não se limita a estabelecer uma determinada ordenação jurídica da forma de organização política da sociedade, como é característico do constitucionalismo liberal, mas que integra uma certa visão ideológica da ordenação social e política, bem como delineia um programa e um caminho de intervenção para a atingir.

5. Assim é de tal modo que, na sua versão original, a CRP privilegiava os sectores público e cooperativo da propriedade, diminuindo o sector privado que era tolerado em posição inferior aos dois citados. Nessa medida, e em conformidade com o seu cariz socialista, toda a ordenação económica da sociedade portuguesa foi pensada, apesar da propriedade privada, para privilegiar a propriedade pública. Assim também, é fixado um conjunto de direitos fundamentais de 2ª e 3ª geração, tipicamente decorrentes dessa mesma mentalidade. Entre eles, os que constam dos actuais artigos 55º e seguintes, sobre os «Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores», e os «Direitos e deveres económicos e sociais». Este elenco de supostos «direitos fundamentais» é hoje extraordinariamente limitadores de reformas políticas mais profundas.

6. Outras notas marcantes da mentalidade socialista e intervencionista da nossa Constituição, que ainda hoje perduram, são, por exemplo, as limitações impostas à participação activa na vida política dos cidadãos fora dos partidos políticos (art. 151, que impõe as candidaturas em listas partidárias à Assembleia Legislativa); a natureza unitária e centralista do Estado (art. 6º); a fixação de certos limites materiais da revisão (art. 288º), entre eles, «a forma republicana de governo» (al. b)); «os direitos dos trabalhadores, das comissões de trabalhadores e das associações sindicais» (al. e)); «a coexistência do sector público, do sector privado e do sector cooperativo e social da propriedade dos meios de produção» (al. f)); «a existência de planos económicos no âmbito de uma economia mista» (al. g)); «o sistema de representação proporcional» na designação dos titulares dos órgãos de soberania (al. h)); entre outros.

7. Torna-se assim evidente, que a CRP mantém hoje ainda a marca ideológica do momento em que foi feita, o que condiciona a evolução política do regime e mesmo até a expressão democrática da soberania. Esse é, desde logo, o seu primeiro e maior pecado.

8. Na verdade, uma Constituição política de uma comunidade tem por finalidade primordial a sua organização política, isto é, a escolha de um modelo de governo e a enunciação dos mecanismos fiscalizadores e que garantam os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. Na origem do constitucionalismo moderno, isto é, no advento do constitucionalismo liberal oitocentista, a palavra «Constituição» era sinónimo de limitação do poder soberano do Estado, através da determinação dos direitos fundamentais dos cidadãos, da separação de poderes entre os órgãos do Estado, e da determinação de um sistema de governo com órgãos plurais e independentes entre si no exercício das suas funções.

9. Nesta altura, e ao longo de todo o século XIX, as Constituições não são programáticas, nem tão pouco os direitos fundamentais dos cidadãos excedem o que corresponde a uma ideia comum de direito natural. No século XX, a partir da Constituição de Weimar (1919) e acompanhando a eclosão do chamado Estado Social, as Constituições passaram a configurar-se como verdadeiros programas de intervenção política e social, espelhando uma visão ideológica da sociedade. É, também, a partir desse texto que os direitos fundamentais se passam a travestir de direitos políticos de recorte muitíssimo discutível, a que se usa chamar os «direitos fundamentais de 2ª e 3ª geração». Como são quase todos inexequíveis através da actuação do Estado, não só desacreditam a Constituição, como relativizam até a importância dos direitos fundamentais de 1ª geração, esses sim a merecer uma vigilância absoluta e inflexível do Estado, muitas vezes abrandada.

10. Desta perspectiva das coisas resultaram equívocos, como a nossa actual Constituição. Parece óbvio que nenhuma geração pode ter o direito de marcar ideologicamente uma comunidade e um País para além do seu próprio limite temporal. Um poder constituinte não pode ser vinculador na eternidade. E como uma Constituição não é um documento que se deva substituir em períodos breves de tempo, a única maneira de evitar situações comprometedores será esvaziá-la de conteúdo ideológico e programático, reconduzindo-a à sua natureza primordial de garante dos verdadeiros direitos fundamentais dos cidadãos, e de documento organizador e limitador do poder político. Enquanto isto não for feito em Portugal, para o que, de resto, será necessária uma verdadeira ruptura constitucional, a Constituição será factor de desagregação da comunidade, em vez de cumprir a função agregadora que lhe deveria assistir.

Afinal, sempre baixou!


Depois de há uns dias atrás ter afirmado em Bruxelas que baixar impostos era "leviano e irresponsável", o nosso querido PM José Sócrates meteu marcha atrás e reduziu o IVA em 1 ponto percentual para 20%.

Esta redução do IVA é um passo na boa direcção. Contudo, fica aquém daquilo que os portugueses efectivamente necessitam e com carácter de urgência, ou seja, a redução do IRS.

Vender euros?


Na minha opinião, o indicador mais útil na avaliação do preço de equilíbrio de uma determinada divisa é a massa monetária associada a ela. Hoje em dia, os principais bancos centrais publicam, diariamente, alguns indicadores que estão associados às oscilações na massa monetária existente no sistema financeiro, entre os quais as operações REPO. São empréstimos temporários de liquidez que os bancos centrais fazem aos participantes no mercado interbancário.

Assim, este ano, o FED já introduziu no seu sistema interbancário 425 mil milhões de dólares através de REPO's. Quanto ao BCE, este ano já vai em 270 mil milhões de euros. Se dividirmos um pelo outro, chegámos ao valor de 1,5740. Que, extraordinariamente, é onde a relação Eur/Usd se encontra neste momento. Ou seja, de acordo com este critério de avaliação, o preço de equilíbrio do Eur/Usd é de 1,5740. Às vezes, é bom fazer umas contas para confrontar preconceitos estabelecidos, por mais racionais que estes nos possam parecer...

against capitalism

Não sei se Stiglitz é um génio ou não porque para ganhar um prémio Nobel não é necessário génio, apenas longevidade, esquerdismo e toneladas de PC (politicamente correcto). Contudo, que o homem pensa é inegável.

Basta ver, por exemplo, a sua proposta para congelar os bónus dos gestores por 10 anos, de modo a que se as empresas vierem a sofrer perdas nesse período, se possam deduzir dos bónus as respectivas penalizações.

"The solution is not so much to cap the bonuses, but to make sure that they share the losses as well as the gains – for instance, holding the bonuses in escrow for 10 years; if there are losses in the second or third or fourth years, the bonuses would be reduced appropriately."

É uma bela ideia e eu permito-me, humildemente, acrescentar que o mesmo deve ser feito com os prémios Nobel. Ficarem em carteira por dez anos. Se entretanto os premiados produzissem declarações afrontosas do bom senso, o prémio seria retirado ou encolhido para uma simples menção honrosa. Stiglitz, por muitas das declarações que tem proferido, já teria perdido o seu.

Listas de espera


A edição de hoje do Jornal de Negócios dá conta de que o Governo se prepara para criar um sistema de incentivos para acabar com as listas de espera dos serviços de oftalmologia nos hospitais públicos. Pelo teor da notícia, o sistema será semelhante àquele que vigora nos transplantes e que muita tinta fez correr recentemente a propósito daquele santo médico chamado Eduardo Barroso. Acho isto muito giro - dar prémios para pôr os médicos a trabalhar! Mas o que é isto?!?
Em Portugal, os médicos são, provavelmente, a classe profissional mais bem paga e mais protegida da concorrência. Ganham fortunas. Portanto, o que o Estado devia fazer era obrigar os médicos a cumprir os horários para os quais foram contratados. E a pagar "à peça" aos valores de mercado. As listas de espera desapareceriam num instante. Se os médicos não gostarem, fora com eles! Não faltam médicos capazes por esse mundo fora. Agora, pagar prémios de "produtividade" para encher os bolsos a meia dúzia de espertalhões, francamente, isso não.
PS: parece que alguns "artistas plásticos" inventaram uma artimanha para aldrabar o sistema de identificação pessoal introduzido nos hospitais públicos para acabar com a preguicite de alguns: dedos de gesso! Fantástico, não é?! A criatividade não tem limite.
PS2 (16h40): telefonou-me agora mesmo um dos artistas plásticos a informar que não é gesso...afinal, são dedos de silicone!

organize

Daddy, what are the British really good at? Baby, we are really good at…(thinking)… killing people!
Jeremy Clarkson, The Times

Sem valorizar demasiado as tiradas humorísticas do Jeremy Clarkson, em que é que os britânicos são excelentes? Os britânicos são excelentes a organizar a desorganização. Reparem bem, não digo que são excelentes a organizar o caos ou a balbúrdia. Digo a desorganização porque o caos será o estado de desarranjo natural com que a natureza desafia a razão humana a retirar utilidade dos seus recursos. A desorganização, pelo contrário, implica já o resultado da própria acção individual ou colectiva.
Ora um dos aspectos mais salientes da sociedade britânica moderna é o afinco com que os ingleses de dedicam a organizar e resolver problemas que eles próprios criaram, enredando-se num novelo de regulamentos e normas que desafiam a inteligência.

Reparem, por exemplo no modo como os aeroportos do RU funcionam. O excesso de funcionários que pastoreiam os rebanhos de pessoas por entre corredores inesperados. Mais funcionários a controlar o fluxo de pessoas nas escadas rolantes ou nos elevadores. E as mensagens constantes a explicar a necessidade de todos os contratempos e arrelias que “afinal são para nos ajudar”, mas que mais parecem instrumentos de tortura. Tudo muito organizado! Podemos usar os telemóveis nos corredores mas temos de os desligar quando chegamos à linha amarela. Devemos levar o passaporte aberto na página da fotografia, eu sei lá...
Quando finalmente ultrapassamos todas estas dificuldades e atravessamos a zona da alfândega deparamos com outra gema deste talento organizativo, um enorme cartaz que informa: É estritamente proibido insultar ou bater nos funcionários do serviço de “Revenue & Customs” de Sua Majestade. Não vá o killer instinct vir ao de cima...

As proibições são constantes. Em muitos locais, para além de ser estritamente proibido fumar, também é proibido comer, beber, ou utilizar o telemóvel. Nos museus então os regulamentos atingem o limite do ridículo. Claro que são de graça e que qualquer anormal pode ir para lá curtir, mas desde que se comporte segundo um elaborado código bizantino.

Um último exemplo deste génio para organizar a desorganização. Na Escócia, que por enquanto ainda pertence ao RU, decretou-se que, no caso de atropelamento de peões fora das passadeiras, os transportes públicos não são obrigados a parar, nem a chamar o serviço de urgência, para melhor cumprirem os horários.

Se todos cumprissem os regulamentos, como o mundo seria perfeito. Claro que os portugueses admiram bastante esta capacidade para organizar a desorganização e, modéstia à parte, nalguns casos até podemos pedir meças aos bifes.

25 março 2008

unpopular

As it stands now, I believe that what Portuguese society needs most is unpopular men and women. There are too many popular people around or trying to be popular. To be popular is easy. Now, you need people capable of doing difficult things (such as restoring order and discipline to your school system, to your judicial system, to your tax system, etc.).
Now, authority is unpopular. It always was. Everybody envies it.

best buddy


Among the big mistakes that destroy authority and render education imposssible is for adults to treat youngsters like their equals or make them feel they are their equals.

The mother who vaunts herself of being her daughter's best buddy. The father who shares his son's school assignments. The teacher who praises herself of being her students' confident. The school or university administrators who accept students in their board of directors or pedagogical councils. The professor who discusses with his students the methods by which he will evaluate them. The teacher who wears jeans in the classroom. Etc.

Luz ao fundo do túnel


Nos últimos anos, através da minha rubrica semanal no "Vida Económica" e em outros eventos nos quais participo, tenho defendido a necessidade de maior autonomia política e económica para as várias regiões que constituem Portugal. Não se trata de inventar a roda. Trata-se apenas de seguir a tendência do que por lá fora se faz e que na Europa dos 15 (antes do alargamento ao leste europeu) só não é seguido por nós e pela Grécia. Ou seja, adoptar um modelo de organização territorial que descentralize o poder. Quanto à forma, regionalismo ou federalismo, tanto faz. O que é preciso é descentralizar e colocar as regiões a competir umas com as outras. É a única via rumo ao progresso e desenvolvimento sustentado e harmonioso de Portugal. Funcionou em todo o lado, por isso, não há razão para crer que na nossa terra será diferente.

Portugal regista, desde sempre, uma terrível tradição de centralizar o poder político. Mas nos últimos anos, em particular desde que Guterres aumentou o peso da função pública na população activa portuguesa, que temos assistido ao crescimento explosivo e caótico da cidade de Lisboa a expensas do resto do país. A situação é de tal forma dramática que viver quer em Lisboa quer nos seus arredores é hoje um pesadelo. A macrocefalia da capital é simplesmente insuportável e inaceitável. Mas isto é o presente. Quanto ao futuro, cabe às forças vivas de cada região combater a tendência até aqui dominante, de forma a invertê-la. E de modo, também, a sensibilizar a opinião pública e publicada de que, de facto, é urgente a introdução de outro modelo administrativo. Há duas formas de o fazer. Através dos habituais queixumes. Ou então, método mais eficaz, realçando as coisas boas que se fazem em cada região. Talvez assim se crie uma inércia positiva. É, precisamente, neste espírito que vos recomendo este excelente artigo de Alberto Castro publicado hoje no Jornal de Notícias.

chamem a polícia

Particularmente pungente, o Fórum da TSF de hoje sobre a situação do ensino secundário público português. Um coro repetitivo e afinado de intervenções de professores das escolas públicas, todos a dizerem o mesmo: que não têm autoridade sobre os alunos e que estes fazem o que bem querem e lhes apetece na escola, sem sofrerem quaisquer consequências.

De todos os intervenientes, impressionou-me mais um professor de um liceu de Setúbal, que interpelou um aluno seu com catorze anos por estar a enrolar um «charro» durante uma aula. O aluno aconselhou o professor a não se meter no assunto, insultou-o perante os colegas, e continuou pacatamente a sua tarefa. O mesmo lhe disseram os seus colegas professores do Conselho Directivo a quem expôs o sucedido: que deixasse andar, porque não valia a pena fazer nada. Passado algum tempo, o carro do professor foi vandalizado no estacionamento da escola. O distinto aluno por lá continua, empenhado na sua educação à custa do contribuinte.

Décadas de facilitismo, de desresponsabilização dos sucessivos ministérios e governos, de abandalhamento nas regras, de igualitarismo entre professores e alunos, e de experimentalismo pedagógico saloio deram nisto. De há décadas para cá, a escola pública portuguesa tem sido destruída no que deviam ser os seus alicerces: autoridade, hierarquia, responsabilidade e definição clara do que é e para que serve uma escola. O cenário, agora, já não é apenas de falta de qualidade da escola e de alguma indisciplina. É de insegurança e medo. Não é, por isso, de espantar que os poderes públicos já não saibam o que fazer, senão chamar a polícia. Como estas declarações do Procurador-Geral da República deixam claro. A escola portuguesa passou, num ápice, de laboratório de educação experimental de «bons selvagens», para um simples antro de selvagens.

E em Portugal?


"Há 100 mil famílias perto do colapso financeiro", manchete do DE de hoje.


Estudo mostra que famílias portuguesas têm dificuldades em pagar prestações dos empréstimos.

Despacha ao melhor


Foi agora divulgada a última leitura do índice S&P Case Shiller que avalia a evolução dos preços nos imóveis residenciais das 10 maiores metrópoles norte-americanas. Em Janeiro, o índice desvalorizou 11,4% face ao período homólogo. No índice geral, composto pelas 20 maiores áreas metropolitanas dos Estados Unidos, também se registou uma queda – 10,7% face ao ano anterior. É a primeira vez, desde que o índice foi constituído em 1987, que ambas as leituras desvalorizam acima dos 10%. E no caso particular da versão selectiva do índice, a que reúne a “crème de la crème” do imobiliário residencial nos Estados Unidos, foi a maior desvalorização de sempre. As cidades de Las Vegas e Miami foram as mais penalizadas – nos últimos doze meses, os preços baixaram quase 20%.

Os analistas que defendem que no mercado imobiliário o pior já passou têm poucos argumentos que lhes valham. A S&P, que publica o índice, afirma que, com excepção de Charlotte (Carolina do Norte), nas restantes dezanove cidades analisadas os preços dos imóveis residenciais caem há cinco meses consecutivos. O mais dramático é que a inércia associada a tendências no mercado imobiliário é mais forte e tende a prolongar-se por mais tempo do que aquela que historicamente se sente noutros mercados como, por exemplo, o accionista. Ou seja, a incapacidade que muitas famílias norte-americanas revelam em amortizar os seus respectivos créditos hipotecários está a reflectir-se no aumento de casas colocadas no mercado. E vendidas ao melhor. O dólar está novamente em queda.

a farda

Como era mais do que esperado, este meu post sobre o estado do ensino secundário provocou por aí uma animada algazarra. As acusações foram mais do que muitas, embora não tenham excedido o trivial («fascismo», «reaccionarismo», «violação de direitos fundamentais», etc.), e até o Dragão replicou com graça, cedendo embora a uma desnecessária (no contexto) citação de Lao Tse sobre a origem da ordem.

E, bem vistas as coisas, o que dizia o post? Sumariamente o seguinte:
1. Que o estado actual do ensino secundário público é consequência de políticas erradas, postas em prática nos últimos quarenta anos;
2. Que a escola tem de incutir responsabilidade aos alunos e professores;
3. Que os alunos não podem faltar às aulas sem justificação nem consequências;
4. Que não há escola sem avaliação dos alunos, da qual têm de decorrer consequências, entre as quais a mais óbvia que é o aluno reprovar;
5. Que é necessário avaliar permanentemente as competências científicas e pedagógicas dos professores;
6. Que o uso de farda própria da escola é aconselhável até um limite de idade razoável,
7. Que a participação das Associações de Estudantes nos assuntos académicos e pedagógicos é prejudicial;
8. Que o Ministério da Educação é desnecessário, pelo menos para exercer funções de planificação e ordenação centralizada do sistema, como, de resto, se tem visto pelos resultados.

É bom que se diga que a maior parte desta regras vigora nas escolas privadas portuguesas, já para não falar noutros países onde são prática comum. As tais escolas privadas que ocupam os lugares cimeiros dos rankings que avaliam todo o sistema, onde, aliás, muito raramente figura qualquer escola pública. E que se acrescente, já agora, que o uso de farda não é um factor distintivo ou elitista (e ainda que se o fosse não vinha daí mal ao mundo), mas identificador, agregador, criador de uma relação de maior proximidade entre o aluno e a escola, muitas vezes até explicável por razões económicas e sociais, como acontece em grande parte das escolas brasileiras, que conheço razoavelmente. A reacção pavloviana indígena é, naturalmente, de pensar na farda da Mocidade Portuguesa, numa hipótese benévola, ou mesmo das Waffen SS, nos espíritos mais perturbados pelo «fássismo».

Por fim, uma palavra sobre o Ministério da Educação, esse extraordinário laboratório de experimentalismo escolar, por onde passaram vultos imensos nos últimos anos, que nos legaram este magnífico estado de coisas de que actualmente todos se queixam. Até os próprios, como sucedeu recentemente com o actual secretário de Estado em relação a um anterior ministério do PS. Só num país canhestro como o nosso é que continuam centralizadas este tipo de competências. Em qualquer país normal elas pertencem aos poderes locais (autonómicos ou regionais, como em Espanha, estaduais, como na Alemanha), como poderes próprios, note-se, e não como competências delegadas pelo poder central. Ultimamente, na União Europeia, chama-se a isto o «princípio da subsidiariedade». Embora seja um nome feio e quase impronunciável, serve perfeitamente.

that old Portuguese recipe


Dear súbditos,

As a professional educator, I put myself in the position of the Carolina Michaelis teacher who was physically harassed by her student. How would I have reacted under such circumstances? I am aware that the teacher seemed to be a senior, fragile lady and that I am no Tarzan either.

There is no doubt in my mind about it. I would have served her that old Portuguese recipe of a strong par de estalos.

After that, if she persisted in physically harassing me, then I would have punched her with no piety until the harassment stopped.

I would not mind being displayed on the internet doing so. Actually, I would feel quite proud about it. Most likely I would be expelled from the public school system. But I would be expelled with the sentiment of having done my job as an educador. For, the next time a student in the country were to consider physically harassing his or her teacher, he or she would think twice before taking action.

24 março 2008

It is the teacher



Dear súbditos,

In the Carolina Michaelis affair there is now a discussion about who is right and who is wrong, the teacher or the student. Some jurists are even quoting sophisticated arguments and laws to support the behaviour of the student. Forget about such futile, allegedly rational debate.

Do you want a verdict with a 99.9% percent probability of being correct in this and other similar cases?

Here it is:

It is the teacher who is right. Why? Because she is the teacher.

age



Dear súbditos,

Among the criteria do define authority the first and the most important one is age.
.
Between two men, one 50 years old the other 25, supposed to be equal in all respects (v.g., education, intellectual abilities, family background, etc.), except age, the older man is presumed to be right. To conclude otherwise is to assume that over the time span corresponding to their age difference, the older man did not learn anything in life, or that the younger man did learn twice as fast (which runs counter the ceteris paribus assumption).

Carolina Michaelis


Dear súbditos,

I strongly believe that for the last thirty-plus years you have been destroying the kind of persons described below. In your culture, freedom is synonymous with fighting authority. That is a big mistake. Now, you are paying the price for it.

"The word 'authority' comes from the Latin auctoritas which belongs to a family of terms meaning 'to cause to grow', 'to produce'. A person in authority should, accordingly, foster the growth of a society thanks to an invested power to influence or command thought, opinion or behaviour".
(Michael Glazer and Monika K. Hellwig (eds.), The Modern Catholic Encyclopedia, Collegeville, Minnesota: Liturgical Press, 2004, p. 59)

Póquer


A principal notícia financeira desta manhã é extraordinária. Parece que o JP Morgan aumentará o valor da OPA que fez na semana passada sobre a Bear Stearns para 10 dólares por acção – cinco vezes a oferta inicial de 2 dólares por acção. O negócio coloca agora o valor de mercado da Bear Stearns em cerca de 1,2 biliões de dólares, quando ainda há uns dias atrás esta se encontrava falida. Há rumores de que alguns accionistas do JP Morgan tentarão travar a loucura dos seus directores e que procurarão impedir a subida exponencial do valor oferecido pela Bear Stearns. E compreende-se bem porquê. Das duas umas: ou a JP Morgan se enganou redondamente no valor que ofereceu inicialmente – 2 dólares por acção – ou então algo mudou drasticamente na Bear Stearns no espaço de apenas uma semana – pouco provável.

Portanto, a pergunta que se segue é a seguinte: será que a OPA da JP Morgan sobre a Bear Stearns, lançada a valores de mercado tão baixos, foi apenas um magnífico golpe de “bluff” engendrado pelo FED e pelo Departamento do Tesouro? Se assim foi, palmas para todos. E não se preocupem muito com a Bear Stearns, a cotação vai recuperar, o que juntamente com a melhoria da conjuntura económica permitirá ao banco manter-se de pé. Quanto aos accionistas da JP Morgan, esqueçam o assunto, o negócio provavelmente jamais se concretizará. Fantástico, não é? Enfim, não é segredo que discordo da estratégia de Bernanke e de Paulson, mas numa coisa tenho de admitir: os tipos davam bons jogadores de póquer! Resta saber quando é que lhes faltará a sorte. Como são eles que dão as cartas, talvez nunca. Entretanto, o dólar continua a valorizar depois dos mínimos da semana passada.

não há rapazes maus

Finalmente, aqui está uma boa explicação para o famoso caso da agressão à professora do Carolina Michaelis (ou terá sido uma agressão à aluna?), que eu sugiro seja lida atentamente para se perceberem as causas profundas do estado a que chegou o nosso ensino público.. Atenda-se, por exemplo, a esta passagem: «As imagens impulsionam a "não desculpar uma situação daquelas", mas devemos ter em conta que é "empolgada por circunstâncias" inexplicadas. Não sabemos o que aconteceu, o que a precipitou. Algo teria irritado a docente em relação à turma ou à aluna? Ou vice-versa?». Enfim, como dizia o outro, «são crianças».

os nossos problemas com a educação

Ao fim de muitas décadas a produzir mostrengos, o sistema público de ensino secundário que nos caiu em sorte está finalmente a ser posto em causa.

Curiosamente, toda a gente opina, mas poucos realçam o óbvio: o modelo rousseaniano do «bom selvagem» autodidacta, que transforma o professor em mais um elemento do sistema a par do próprio aluno, este último objecto de todas atenções e direitos e sem qualquer tipo de responsabilidade, falhou. Era evidente que falharia já há quarenta anos, quando o «flower power», o Maio de 68, o Woodstock, os ácidos e as pedagogias igualitárias o impuseram como modelo generalizado, e hoje, perante a abominação a que as coisas chegaram, tornou-se impossível continuar a sustentar a farsa.

Considerando o tom geral do debate, em torno do «estatuto do aluno», da proibição do uso de telemóveis na escola e das «causas» da má educação, indisciplina, às vezes, da ordinarice sem consequências de alguns alunos, deixo aqui algumas ideias para pôr termo à bandalheira. Aqui vão:

1. Explicar ao País que a educação pública não é um «direito universal e gratuito», mas um privilégio caro, que é pago pelos contribuintes, por todos os contribuintes, mesmo até por aqueles que não beneficiam minimamente dela;

2. Explicar, imediatamente depois, que tratando-se de um privilégio, a educação não paga pelos utentes deve ser um bem escasso, do qual eles não podem usufruir indefinidamente sem aproveitamento;

3. Responsabilizar os utentes do serviço, isto é, os alunos, pela sua manutenção no sistema gratuito, criando prazos de prescrição para as suas matrículas gratuitas, que, quando ultrapassados, terão por consequência a sua saída do sistema, passando esses alunos a terem de pagar o custo real do serviço que lhes é prestado caso queiram continuar a frequentá-lo;

4. Imposição de regras severas de frequência: limite de faltas não justificadas muito pequeno, com reprovação imediata para quem o ultrapassar; proibição efectiva de tabaco, álcool, telemóveis, etc. no espaço da escola e nas suas imediações; cumprimento das normas básicas de educação e etiqueta para com os professores;

5. Avaliações rigorosas dos alunos, com reprovações anuais efectivas;

6. Obrigação de uso de farda escolar, personalizada escola a escola, até, pelo menos, ao fim do 3º ciclo do Ensino Básico (escolaridade obrigatória, concluída, mais ou menos, até aos 14, 15 anos de idade, muito boa idade para se andar de farda);

7. Criação de um sistema de incentivos para os melhores alunos, com acesso directo ao sistema gratuito de ensino superior e outro tipo de prémios;

8. Obrigação de actualização científica e pedagógica dos professores em períodos nunca inferiores a sete anos, através da realização de cursos que lhes atribuam créditos profissionais, em cursos protocolados pelas direcções das escolas, e da qual dependa a progressão na carreira com a correspondente compensação salarial acrescida;

9. Avaliações científicas e pedagógicas rigorosas dos professores, através de exames regionais/nacionais elaborados, fiscalizados e corrigidos por equipas preparadas para isso, e onde os alunos e os pais dos alunos não tenham a mais pequena participação;

10. Autonomia completa das direcções gerais das escolas, com base em contratos a prazo, e com avaliação de resultados, da qual dependerá a progressão na carreira dos professores envolvidos, em função dos resultados apresentados;

11. Extinção das funções «pedagógicas» das Associações de Estudantes, que são, em regra, constituídas por analfabetos funcionais dedicados às «jotas» e que agem exclusivamente como sindicatos políticos nos órgãos directivos das escolas em que têm assento;

12. Extinção do Ministério da Educação, terminando com o modelo único e centralizado das últimas décadas, passando a gestão completa das escolas para os poderes locais (municípios ou, se existissem, regiões).