27 maio 2016

a China é outro mundo

26 maio 2016

25 maio 2016

máximo

22 maio 2016

A PEREGRINA

O argumento d’A PEREGRINA é muito simples e pode ser explicado sem retirar interesse à leitura do conto.

A Fátima, a principal personagem, está casada há 10 anos com o Marco, mas não consegue engravidar. Desesperada, vai a Fátima, em peregrinação, pedir a Nossa Senhora a graça de ter um filho.

No último dia da viagem passa a noite com um peregrino. E no dia seguinte com o marido. Três semanas depois descobre que está grávida, mas, obviamente, não sabe quem é o pai.

Fátima sente-se confusa e não sabe o que fazer. Deverá confessar o que se passou ao marido ou guardar segredo? O seu encontro com o peregrino não terá sido, afinal, o “milagre” por que tanto rezou?

Nesta estrutura, encaixei então um conjunto de episódios reais. Histórias que me contaram de peregrinações, de relacionamentos inconseguidos, de encontros e de desencontros.

O adultério de Fátima foi uma decisão consciente da própria, o destino, ou um milagre? Não é verdade que Deus escreve direito por linhas tortas?

20 maio 2016

A PEREGRINA

A PEREGRINA é a minha primeira experiência com ficção. É um conto, gosto de dizer, que foi escrito como quem faz uma árvore de Natal. Eu explico...

Criei o argumento, apenas como estrutura, e depois preenchi-o com episódios retirados da vida real que me foram sendo relatados ao longo da vida.

Ocultei, claro está, a identidade real dos personagens, mas mantive, tanto quanto possível, os diálogos e o contexto. A linguagem é simples e destina-se a ser compreendida por qualquer pessoa que saiba, por assim dizer, “ler e escrever”.

Se conseguir conquistar para a leitura algumas pessoas que nunca abriram um livro (desconfio que a maioria dos portugueses), considero que o meu objetivo foi realizado.

Apesar da simplicidade que referi, A PEREGRINA também pode interessar aos leitores que, como eu, estão apaixonados por estudar o comportamento humano. Pessoas que se interrogam sobre o que é livre-arbítrio, o que é o destino, ou qual é o propósito da existência humana.

Muitas destas pessoas podem aprender mais com os personagens humildes desta peregrinação do que com a leitura de Kant ou de Hegel, verdadeiros ilusionistas da palavra.


Tudo o que precisamos de saber está à nossa volta, digo-vos. Só temos de abrir os olhos e iniciar a peregrinação.

unintended consequences


a vaca do primeiro-ministro


18 maio 2016

são bi II

The study, published in Biological Reviews, reveals that there are differences in male and female sexuality. 
Dr Kanazawa, from the London School of Economics and Political Science, explained: “The theory suggests that women may not have sexual orientations in the same sense as men do. 
“Rather than being straight or gay, to whom women are sexually attracted may depend largely on the particular partner, their reproductive status, and other circumstances.”
...
Dr Kanazawa believes that women have had to evolve to deal with the experience of men having more than one partner.
He claimed: “Even though humans have been mildly polygynous throughout evolutionary history, polygynous marriages are often characterized by conflict and tension among co-wives.
“I propose that occasional sex among cowives may have reduced such conflict and tension, and increased their reproductive success.
“Female sexual fluidity may have evolved as an adaptation to facilitate it.”

são bi I

Psychologist Dr Gerulf Rieger said his tests showed women are bisexual, like model Cara Delevingne, or gay “when it comes to what turns them on” but “never straight”.

The Sun