31 março 2015

eu sou o mesmo


A minha mulher parece assustada comigo, devido ao meu interesse pela Programação Neurolinguística, pelo Facebook, pelo movimento DishMob, que estou a promover em Viana do Castelo, e pela valorização que tenho vindo a atribuir ao “networking”.
Não subscreve as sinergias que se podem obter da colaboração interdisciplinar e “intergeneracional” e o único motivo que vislumbra em mim é uma espécie de busca insana pela “eterna juventude”.
Nada poderia estar mais longe da verdade. Procurei sempre manter-me na “crista da onda”, como se costuma dizer, em tudo o que faço. E estes meus interesses são o resultado desta predisposição.
O mundo está em constante mudança, como já dizia o poeta, e se não acompanharmos a cultura do tempo transformamo-nos numa espécie de zombies.
Eu não sou tradicionalista nem conservador, já aqui tenho tido oportunidade de o afirmar. O que não me torna melhor nem pior do que todos os outros. Sou apenas EU. E todos podem ficar tranquilos, incluindo a I., porque estou completamente feliz comigo e com todos os que me rodeiam.
:-)

Viana do Castelo: A Bela Adormecida

Viana do Castelo: A Bela Adormecida
Cheguei esta manhã a Viana pelas 8:30, vindo de Seixas. Estacionei e caminhei ao longo da Av. Luís de Camões, no chamado Jardim da Marginal, onde tirei as fotos que publiquei nos últimos posts. A cidade pareceu-me parada no tempo, bonita mas adormecida. Acho que lhe poderíamos chamar "A Bela Adormecida".
Está à espera do beijo de um Príncipe para acordar do seu entorpecimento.

Viana do Castelo 8:30



29 março 2015

panteaolândia

A grande conquista de Abril foi elevar os heróis populares, como Eusébio e Amália, a heróis nacionais e os caciques locais, como Sócrates, a caudilhos nacionais.

não é normal


Os comportamentos pessoais não podem ser equiparados aos comportamentos sociais, nem mesmo quando um comportamento pessoal acarreta consequências sociais tremendas.
O suicídio, exemplo de um comportamento pessoal extremo, é radicalmente diferente do genocídio perpetrado pelos alemães no século XX ou pelo ISIS na atualidade. Ambos são um Mal, mas não são produto do mesmo Mal.
É irracional aceitarmos que um indivíduo perfeitamente saudável – o que a OMS designa de estado de completo bem-estar físico e psíquico – opta, num momento de lucidez, por fazer o “check-out” desta vida. Um instinto de sobrevivência saudável não o permite.
Pelo contrário, num contexto social, pode emergir a tal “normalidade do Mal” da Hannah Arendt. Que pode ir até ao último sacrifício, como o dos pilotos Kamikaze. Sacrifício que, contudo, não pode ser classificado, nesta situação, como comportamento pessoal.
Todos esperamos, dos outros, comportamentos ajustados à chamada natureza humana. Comportamentos que conhecemos tão bem que somos capazes de os prever com grande certeza. A doença mental consiste precisamente num desvio grosseiro do expectável.
O acto do copiloto do avião da Germanwings, neste sentido, é prova irrefutável da sua doença mental.

PS: Comentário a este artigo do P. Gonçalo Portocarrero

28 março 2015

+ 1

Já não sou um liberal

Miguel Esteves Cardoso

consolidar pelo lado da receita

Syriza adopta fórmula do PSD/CDS

é preciso mais cuidado...

... com a responsabilidade que se deposita nas mãos de um jovem de 27 anos

Especialmente quando esse jovem quer mudar o mundo

o Estado dá o exemplo

Quem não gostava de ter um mercado reservado para si, impedindo a entrada de concorrentes e, sobretudo, travando qualquer inovação que possa tornar o serviço mais fácil, mais cómodo, mais conveniente para o utilizador final e até mais barato?
Quem não gostava de operar num sector onde a regulação é muito fraca, a avaliação do mérito e da qualidade são inexistentes e a possibilidade de enganar os clientes em proveito próprio é grande?
Infelizmente são muitos os que gostavam e gostam de operar assim. E os taxistas não são excepção.
Comentário: E o SNS, a educação e a segurança social também, mas infelizmente, em Portugal, só se aponta o dedo aos taxistas.

27 março 2015

naturismo étnico



Comentário: Quando vi hoje a primeira página do Público pensei: será que publicariam uma foto idêntica com caucasianas? Se a resposta for não, tirem as respectivas conclusões.

25 março 2015

Cornell Dean Advises on Starting ISIS Club

adivinhem

Esta fila é:

  • Para a urgência do Amadora-Sintra
  • Para papel higiénico na Venezuela
  • Para a raspadinha

Já têm socialismo, agora só lhes falta o leite...


2 bebés

No portal do Público, a queda do avião da Germanwings merece o seguinte destaque:

UM AVIÃO "PULVERIZADO", 150 MORTOS E TRÊS PAÍSES DE LUTO
O avião da operadora alemã low-cost Germanwings ficou reduzido a pequenos escombros. Entre os mortos estão 16 estudantes alemães do ensino secundário e dois bebés.

Comentário: É por estas e por outras que deixei de comprar este jornal. Do "pulverizado" aos bebés, o Público demonstra o que pensa dos seus leitores. Será um pensamento projectivo?