25 maio 2019

todos a remar para o mesmo lado :-)

ao serviço

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, não são os cidadãos que estão ao serviço do Estado, é o Estado que está ao serviço dos cidadãos.

não há barreiras

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, não lhe faltarão oportunidades de emprego, e não há barreiras a que você suba na vida (assim você trabalhe e tenha mérito para isso).

empresários de papel

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, o Estado e o banco público (caso exista) não andam a assaltar bancos privados nem a financiar empresários de papel.

independente do poder político

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, a Justiça é rápida, certa, imparcial e independente do poder político.

chico-espertos

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, também há chico-espertos. A diferença é que estão todos na prisão.

mas não cambalachos

Num mundo liberal, substituindo um mundo socialista, você tem amigos, mas não amigalhaços, você tem negócios, mas não cambalachos.

é você

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, quem decide os fins que você prossegue na vida não é o Estado, é você.

o melhor

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, quem é mais promovido na vida não é aquele que apresenta nomes de família mais sonantes, ou melhores conexões políticas, mas aquele que é o melhor no seu sector de actividade.

a corrupção será menor

Num mundo liberal, o Estado é mais pequeno e permanece, tanto quanto possível, afastado do mundo dos negócios. Em consequência, a corrupção será menor.

menos poder

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, os lobbies e as corporações têm muito menos poder.

uma pessoa de bem

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, o Estado é uma pessoa de bem (cumprindo os contratos e promessas que faz, pagando atempadamente aos seus credores, etc.)

cancelados

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, onde existiam lugares no sector público ocupados por boys, esses lugares serão cancelados.

mérito

Num mundo liberal, substituindo o mundo socialista, onde existiam tachos, passa a existir mérito.

nada de misturas

Liberais portugueses recusam aliança europeia com António Costa (cf. aqui)

24 maio 2019

o monopólio do socialismo

Eu já tinha deixado cair a possibilidade de alguma vez ver nascer em Portugal um Partido Liberal.

Fiquei surpreendido quando há meses dei pela Iniciativa Liberal, já sob o comando do Carlos Guimarães Pinto.

Eu conhecia-o apenas aqui do blogue, como um articulado liberal, e só muito mais tarde o conheci pessoalmente.  Nestes últimos meses, ele veio provar que, além de um coerente liberal, ele é também um excelente e discreto organizador.

A minha maior surpresa, porém,  foi como a Iniciativa Liberal se impôs ao longo do último mês. Ideias coerentemente apresentadas, solidamente defendidas, uma prática política coerente com as ideias defendidas (como aquela de renunciar à subvenção estatal aos partidos), um ar de clara novidade e uma postura de franca oposição ao status quo representado pelo PS e PSD, mais os seus respectivos satélites (BE e PCP do primeiro, CDS do segundo).

Eu acredito que a Iniciativa Libera vai eleger pelo menos um eurodeputado no domingo. Mas mesmo que não consiga, fez um excelente trabalho para estas eleições e deixou uma  rampa de lançamento para eleger dois ou três deputados nas eleições nacionais em Outubro.

Uma coisa parece certa. O monopólio do socialismo em Portugal, representado pelos cinco partidos do regime, passou a estar sob escrutínio e sob ameaça. E a novidade é a Iniciativa Liberal.

adormecer ao volante

Penso que a grande revelação das eleições de domingo vai ser a Iniciativa Liberal.

E que a grande decepção vai ser o Aliança.

O tempo do Santana Lopes e do Paulo Sande já passou.

Passaram a vida num partido socialista, como é o PSD, e agora é que acordaram?

(Este despertar tardio para o liberalismo é capaz de ser um vírus que anda por aí porque está também a atacar o António Costa, cf. aqui)

Não sei o que é que lhes deu na cabeça para se declararem liberais aos sessenta e tal anos. Normalmente, nessa idade um homem tem tendência a  tornar-se conservador.

E a adormecer ao volante.

São liberais serôdios. Têm idade para ser pais dos dirigentes da Iniciava Liberal.

Não há futuro neles.

Correm o risco de se tornarem a Brigada do Reumático do liberalismo em Portugal.

tiveram o arrojo

Olhando para a toalha que ali jaz, no chão, e de que já quase todos abdicamos, estes teimosos tiveram o arrojo de dizer: só depende de nós. E por tudo isto, e mesmo que falhem, e mesmo que não seja possível fazer melhor, no Domingo irei votar Iniciativa Liberal. (cf. aqui)

em quarenta anos

É a primeira vez em quarenta anos que há uma opção liberal no boletim de voto. No Domingo eu voto no partido Iniciativa Liberal. (cf. aqui)

produto contrafeito

O cabeça de lista às europeias do partido Iniciativa Liberal, Ricardo Arroja, acusou esta sexta-feira o primeiro-ministro António Costa de querer afirmar-se como liberal mas não passar de um “produto contrafeito de má qualidade”.(cf. aqui)

há vida

"Os portugueses sabem hoje aquilo que não sabiam antes do Carlos Guimarães Pinto e do Ricardo Arroja: há vida para lá do socialismo. E conseguiram provar que os políticos afinal não são todos iguais". (cf. aqui)

Pela primeira vez

"Pela primeira vez, que me lembre, a palavra liberal é bem aceite e acolhida sem preconceito. Tem corrido tão bem que até o primeiro-ministro já quer ser liberal, ele que é socialista desde os 14 anos. Mas as pessoas que não se iludam, que votem liberal e não num produto contrafeito de má qualidade", afirmou o candidato, em declarações à Lusa, após ter sido recebido na Câmara do Porto pelo presidente Rui Moreira (cf. aqui)

as mocas do Rangel

Para mim, o principal sinal de que a Iniciativa Liberal vai surpreender no próximo domingo é que as audiências do Portugal Contemporâneo triplicaram nos últimos dias.

A menos que esta subida rápida e surpreendente  não se deva à propaganda que tenho vindo a fazer da Iniciativa Liberal e do seu candidato neste blogue, mas ao outro assunto que, a título excepcional, tratei nos últimos dias.

Refiro-me às mocas do Rangel.

Para quem não saiba, o assunto das mocas do Rangel não se refere ao facto de, no próximo domingo, o partido do Rangel ir começar a ser corrido à mocada pelos eleitores portugueses, até se tornar um partido de vão-de-escada como muito bem merece, mas a um assunto muito mais comezinho.

Trata-se de saber onde é que o Professor Paulo Rangel (*) irá gastar as 10 mil mocas que o juiz Pedro Vaz Patto do Tribunal da Relação do Porto me condenou a pagar-lhe por eu lhe ter chamado "politiqueiro" e "jurista de vão-de-escada" (cf. aqui).

Depois de ter levantado a questão, avancei um pouco na resolução do mistério (cf. aqui).

Hoje, julgo que já cheguei à resposta. Mas só a divulgarei num dos próximos dias.

Deixo uma pista ao leitor: cf. aqui.

_________________
(*) Os graus académicos estão aqui.

pelo menos um

"Se não elegerem pelo menos um deputado destes três partidos (Livre, Iniciativa Liberal, Aliança), então os portugueses merecem mesmo ser tratados como crianças pelos cinco do costume" (cf. aqui)

23 maio 2019

mais de quarenta anos

"Foram precisos mais de quarenta anos de democracia em Portugal para que pela primeira vez num boletim de voto se possa votar num partido liberal" (cf. aqui)

O Insurgente

Grande Sondagem O Insurgente para as eleições europeias (cf. aqui)

no bolso e nos costumes

"Decidi votar na Iniciativa Liberal no próximo domingo, porque me agrada a ideia de ter menos Estado no bolso e nos costumes". (cf. aqui)

governado mal

"O nosso objetivo é mostrar que o liberalismo económico, político e social é uma alternativa ao socialismo que nos tem governado mal”, defendeu o candidato. (cf. aqui)

um socialista empedernido

Ricardo Arroja, que falava aos jornalistas numa ação junto ao Hospital São João, zona próxima de várias faculdades e institutos superiores, começou por fazer um balanço sobre a campanha, considerando que esta lhe tem "corrido tão bem, tão bem, que até o Primeiro-ministro, um socialista empedernido, quer agora ser liberal".


"Mas não se iludam: se querem votar liberal, votem Iniciativa Liberal e não num produto contrafeito de má qualidade", disse, antes de avançar com os objetivos para as eleições de domingo. (cf. aqui e também aqui)

marcar uma filosofia política

O cabeça de lista às europeias do Iniciativa Liberal, Ricardo Arroja, frisou hoje, no Porto, que o objetivo do partido é não só "eleger um eurodeputado, mas sobretudo marcar uma filosofia política oposta ao socialismo". (cf. aqui)

27%

Entre os leitores do Observador, a Iniciativa Liberal é o partido mais votado com 27%, segundo uma sondagem de um leitor (cf. aqui, caixa de comentários):


Tiago Campos
1 h
No Observador o IL está na frente da sondagem com 27%. Seguindo-se PSD, CDS e Basta por ordem correspondente. Faltam apenas 21 pessoas para fechá-la.
Participem na mesma no seguinte link:

https://pt.surveymonkey.com/r/QVDDR9G

no ponto em que está

"Se me dissessem há seis meses que hoje a Iniciativa Liberal estaria no ponto em que está, eu não acreditaria. Um dos mais rápidos fenómenos de sucesso nas redes sociais, uma comunicação de rua reconhecida por todos como a mais criativa, uma extraordinária performance nos debates ao ponto de muitos comentadores afirmarem que o candidato Ricardo Arroja superou qualquer um dos candidatos dos ditos “grandes partidos”, uma rede de doadores e voluntários estabelecida e, mais importante, uma extensa produção intelectual de artigos, quadros e propostas como nunca se viu outro partido fazer em tão pouco tempo. Tudo isto sem ceder ao facilitismo de ancorarmos eleitoralmente o partido numa figura com projeção mediática". (cf. aqui).


Nota: O Carlos Guimarães Pinto, além de presidente da Iniciativa Liberal, é também colaborador do Portugal Contemporâneo. Ele é o autor do post mais partilhado de sempre  deste blogue (mais de 36 mil partilhas). (cf. aqui)

2023

"MRPP visita S. João e recebe garantia da ala pediátrica até 2023" (cf. aqui)

o primeiro passo

Como gostaria de ser lembrado?
Como alguém que deu o primeiro passo para o liberalismo em Portugal. (cf. aqui)

O brilho

"O brilho de quem defende ideias em que acredita" (cf. aqui)

Cuidado com os liberais

"O medo que a “aliança progressista” sugerida por António Costa em Paris possa incluir liberais inquietou tanto Marisa Matias como Paulo Rangel." (cf. aqui).

Explicação: António Costa anda a namorar Emmanuel Macron e o seu partido que pertence ao grupo ALDE dos partidos liberais no Parlamento Europeu (cf. aqui). O partido português que é membro do ALDE é a Iniciativa Liberal.

Diz António Costa a Macron:

"Caro Emmanuel, contamos com a tua determinação para essa mudança progressista e tu podes contar comigo e com a minha amizade para continuar a fazer avançar a Europa, a paz, a liberdade e o progresso económico e social", afirma Costa numa mensagem em vídeo a que a Lusa teve acesso e que foi transmitida durante os trabalhos de um 'meeting européen' (encontro europeu) do La Republique em Marche (A República em Marcha), o partido do Presidente francês. (cf. aqui).

Conclusão: Indirectamente o Primeiro-Ministro português andou a promover a Iniciativa Liberal.

um milagre

"É um milagre o Serviço Nacional de Saúde ainda estar vivo" (cf. aqui)

caras novas

Resta-nos assim votar o melhor possível. Até porque houve por aí caras novas a defender as suas ideias com frontalidade, sem demagogia e sem medo, colocando na agenda o tema tabu do liberalismo. Possam elas ter uma oportunidade. (cf. aqui)

22 maio 2019

são muitas mocas

(Continuação do post anterior, cf. aqui)

Reflexão:

Dez mil mocas são muitas mocas. E o Professor Rangel (*) não vai poder metê-las ao bolso porque os jornalistas vão-lhe perguntar:

-Professor Doutor Paulo Rangel (*)... Vossência não tem vergonha de meter ao bolso 10 mil mocas que seriam destinadas pelo presidente da Associação Joãozinho a auxiliar as crianças internadas nos barracões do Hospital de S. João?... Por favor, Vossência tenha decoro...  

Portanto, o Professor Rangel (*) não vai conseguir abarbatar-se com as 10 mil mocas e vai ter de dá-las a alguém para parecer bem perante a comunicação social.

Vai ter de dá-las a alguém… Mas a quem?

Pois...isso é que eu ainda não descobri.

Logo que descubra, digo.

____________
(*) Se tiver dúvidas sobres os graus académicos do Professor Rangel é só clicar aqui.

10 mil mocas

Pergunta:

Tenho andado a pensar onde é que o Professor Paulo Rangel (*) irá gastar as 10 mil mocas que o juiz Pedro Vaz Patto me condenou a pagar-lhe por ofensas à sua honra (cf. aqui).

___________________
(*) No caso de ter dúvidas sobre a legitimidade do título de Professor, é só clicar aqui para confirmar os graus académicos.

uma quinta

É preciso tirar o poder ao centrão, PS e PSD, que há mais de quarenta anos governam e dividem Portugal entre si como se fosse uma quinta.

Ocasionalmente rivalizam um com o outro, mas a rivalidade só traz prejuízos a ambos. Ocupam o mercado político em regime de duopólio, e um duopólio colusivo. Pior que isto só um monopólio, como a União Nacional.

As rivalidades são para inglês ver porque é muito mais aquilo que os une do que aquilo que os separa. Nada se faz no país sem o seu consentimento. Dividem entre si as instituições públicas, os lugares na administração pública e os favores do Orçamento do Estado.

E manipulam a Justiça, ora em favor de um ora em favor de outro (sobre este assunto veja os posts acima).

Declaração

Declaração de voto (cf. aqui)

Vive e deixa viver

Finalmente, votei na Iniciativa Liberal porque é um novo partido que não faz parte do sistema. É uma iniciativa de cidadãos, a maioria sem qualquer experiência política, que tem de trabalhar dez vezes mais sobretudo ao nível das redes sociais por não ter a projeção mediática (em bom português, o colinho da comunicação social) que é dado a outras forças políticas. Votei porque a IL defende o princípio do “Vive e deixa viver”. Votei na IL porque é um partido que de forma criativa combate o socialismo e o estatismo patente de esquerda e de certa direita. (cf. aqui)

ao serviço das pessoas

"O Estado é um veículo ao serviço das pessoas" (cf. aqui)

o meu voto será outro

Nos últimos anos tenho votado PSD. Não me arrependo e, nas eleições de 2011 e 2015 até me orgulho. No entanto, nas europeias de 2019, e depois das negociatas do PSD (e do CDS) com o PCP e o BE sobre os professores, o meu voto será outro. Sendo a falta de capital o maior problema das economias europeias, o meu voto no dia 26 vai para a Iniciativa Liberal e para o Ricardo Arroja que actualmente me parecem ser os mais cientes do problema europeu que referi nesta crónica. (cf. aqui)

21 maio 2019

o mistério do debutante

A Iniciativa Liberal foi à feira de Braga apresentar-se como um novo pequeno partido. Incógnito para a maioria dos mercadores, Ricardo Arroja tenta fazer do mistério do debutante a força motriz do partido que vai a votos pela primeira vez. Menos Estado e mais empreendedorismo individual são os eixos doutrinários, olhados de soslaio por uns, com curiosidade por outros (cf. aqui)

às voltas no túmulo

O Sá Carneiro, coitado, deve estar às voltas no túmulo (cf. aqui).

O trabalho que o homem teve para criar o Partido e agora, quarenta e tal anos depois, sucedem-lhe umas abéculas - o Rio e o Rangel - que lhe estão a dar cabo do Partido.

tatibitate

Nas últimas eleições autárquicas, mesmo na sua cidade natal, o PSD liderado por Rui Rio e Paulo Rangel (são ambos do Porto) não conseguiu eleger mais do que um vereador (cf. aqui).

Se eles não conseguem vender a mensagem na sua própria cidade, como conseguirão no resto do país?

Não conseguem. São uns atrasos de vida, uns verdadeiros tatibitates.

Prepare-se para outra catástrofe no próximo Domingo. Se é do PSD, pense em mudar da partido.

Aquilo não tem futuro. Para aquilo, já existe o PS.

Nota. Se chamar politiqueiro ao Rangel valeu uma indemnização (ainda não consumada) de 10 mil euros (cf. aqui), quanto valerá esta - tatibitate?

Pregam a liberdade

Pregam a liberdade, mas depois agem como uns batoteiros usando a justiça (e as suas influências políticas na justiça) para calar os cidadãos indignados com a sua actuação, e inviabilizar a primeira das liberdades democráticas, que é a liberdade de expressão.

Veja quem está no top (cf. aqui).

da descredibilização

Questionado sobre o nível de abstenção esperado, Ricardo Arroja afirmou ser o “reflexo da descredibilização da classe política”, dando conta, ainda assim, que espera um bom resultado. (cf. aqui)

Não tem

A julgar pelo número de partilhas deste post (cf. aqui), confirmo o afundanço do PSD comandado pelo Professor Paulo Rangel nas europeias do próximo Domingo. Será pior do que a previsão da Universidade Católica (cf. aqui). Será abaixo de 20%. O Professor Paulo Rangel vai ficar muito deprimido. E vai-se queixar ao Tribunal contra o povo português.

comandado

O PSD, comandado pelo Professor Paulo Rangel, nas sondagens para as europeias (cf. aqui)

como se faz política

"Tem sido uma campanha muito virada para as redes sociais, para apelar ao público que não se revê a forma como se faz politica em Portugal (...) Temos feito um grande trabalho a passar uma mensagem de irreverência mas ao mesmo tempo de credibilidade, temáticas que possam ser entendidas e que fomentem a aproximação dos portugueses à Europa e trazer a Europa a Portugal", explicou. (cf. aqui)

anos

Questionada pela Lusa, a ERS esclareceu estar, desde há um ano, a fazer um inquérito às instalações. (cf. aqui)

Que engraçados. O inquérito vai demorar anos.

afundando


O Professor Paulo Rangel aos comandos do navio nas eleições europeias (cf. aqui)

Este é o resultado da reputação das universidades onde o Professor Paulo Rangel obteve os seus graus académicos (cf. aqui):
-Licenciatura: Faculdade de Direito, Universidade Católica do Porto
-Mestrado: Universidade da Praia, Departamento dos Banhos de Sol
-Doutoramento: Universidade de Verão do PSD, Departamento dos Conflitos de Interesses

E também da actividade criminosa (sabotagem, cf. aqui) que ao longo do último ano e meio foi levada a cabo neste blogue.


20 maio 2019

elogiou

O partido Iniciativa Liberal, que se apresenta às eleições de dia 26 com Ricardo Arroja como primeiro candidato, foi a única outra força política que elogiou "a ação concreta do Governo português", declarando: "Sim, foi positiva e foi uma forma de atenuar a incerteza associada ao 'Brexit'". (cf. aqui)

inflamadas

O partido Iniciativa Liberal, que tem Ricardo Arroja como número um para as europeias, foi uma das vozes mais inflamadas, considerando “uma vergonha para o Estado Português e para a democracia” essa demora que levou à desistência de várias pessoas. (cf. aqui)

Três propostas

Três propostas (cf. aqui)

poderão surpreender

Em Portugal, as sondagens dão os partidos com representação parlamentar a eleger os 21 eurodeputados. Mas há alguns pequenos partidos que poderão surpreender.
A Aliança tem o seu primeiro teste, com um cabeça de lista, o Paulo Sande, muito forte nas questões Europeias, mas pouco conhecido dos eleitores. O mesmo para o Ricardo Arroja da Iniciativa Liberal (sendo amigo dos dois, embora não vá votar neles, sinto aquilo que McCain dizia a Obama em 2008: “I can´t wish you luck, but I do wish you well”). (cf. aqui)

a incomodar

"Mas para o liberal que acredita que o liberalismo não é apenas sobre impostos e regulação económica, mas é essencialmente sobre a pessoa humana e a sua dignidade, sobre o seu direito à vida, sobre o seu direito à liberdade, e sobre o seu direito à liberdade para a prossecução da felicidade, tal declaração é suficiente para demonstrar que o “liberalismo” da Iniciativa Liberal não é o nosso liberalismo." (cf. aqui)

A Iniciativa Liberal está a incomodar certos sectores do conservadorismo português. Bom sinal.

São precisos dois para escrever um artigo de opinião. A conclusão é a de que no liberalismo dos autores não há liberdade nenhuma, excepto as que eles autorizarem.

O desencanto

"O desencanto com os partidos que já estão estabelecidos." (cf. aqui)

19 maio 2019

Eu já os vi

Agora que estamos a entrar na última semana da campanha eleitoral para as europeias, eu sugiro a todos os cidadãos eleitores que tenham cuidado com aquilo que dizem sobre o candidato do PSD, Professor Paulo Rangel (Professor com letra maiúscula e todas as qualificações, cf. aqui).

O Professor Paulo Rangel é muito sensível e ninguém, nesta altura, desejaria arranjar-lhe uma depressão:

"o demandante sentiu-se vexado e humilhado publicamente, com alteração de humor, que passou a ser triste em alguns períodos, irritabilidade, desgosto, a par de natural revolta, o que teve interferência no seu quotidiano e no seu descanso, atentas as imputações e as qualificações insultuosas efectuadas" (cf. aqui).

Posto isto, a questão que me ocupou durante os últimos dias foi a de procurar discernir qual a grande diferença entre o candidato da Iniciativa Liberal, Ricardo Arroja, e o candidato do PSD, Professor Paulo Rangel (Professor com letra maiúscula e todas as qualificações, cf. aqui)

Cheguei agora à resposta.

O candidato da Iniciativa Liberal, Ricardo Arroja, tem tomates.

Garanto-vos!

Eu já os vi.

com um ar melancólico

12 de Maio: A Europa dos “altos parapeitos” nunca fez parte da cultura portuguesa. Verdade que copiámos tudo o que era francês, como agora copiamos o cosmopolitismo anglo-saxão. Mas nisto só participaram, e participam, as classes dirigentes. Mesmo hoje, o cidadão normal não quer e não precisa de saber o que se passa para lá da sede do concelho. E nos núcleos urbanos, a maioria dos portugueses é indiferente ao que se passa no mundo.

A campanha contra a abstenção é uma pura perda de paciência e dinheiro. Os burocratas de Bruxelas não merecem mais.

13 de Maio: O debate dos pequenos partidos na RTP foi uma Galeria de Horrores: uma dúzia de excêntricos aproveitou a ocasião para se exibir em público. Só Ricardo Arroja, que assistiu àquele festival com um ar melancólico, pareceu compreender o sarilho em que estava metido.

(Vasco Pulido Valente, cf. aqui)

subsidiário

"O Estado é subsidiário…" (cf. aqui)

Caras velhas

"Caras velhas… caras usadas…" (cf. aqui)

A alternativa

A alternativa mais saliente ao sistema que temos visto em Portugal é o Liberalismo. Quiseram dar poder à população, mas deram o poder ao Estado e reduzimos a liberdade do cidadão. Alargaram o Estado e reduziram o seu sentido de responsabilidade. Quiseram uma democracia saudável e criaram falta de esperança.(cf. aqui)

Espero que não me desiluda

"Espero que não me desiluda…" (cf. aqui)