11 setembro 2015

A Hungria

A Hungria tem funcionado, até agora e contra as regras europeias, como uma auto-estrada entre a Sérvia e a Áustria para os imigrantes ilegais. Sabendo que os imigrantes não tinham a Hungria como destino final, a Hungria não só abria as fronteiras como chegava a pagar bilhetes de comboio para que os imigrantes atravessassem o país mais depressa. Para a Hungria, e para o seu governo conservador, este esquema funcionava bem: não arranjava problemas em casa e não tinha grande despesa em segurança ou para defender a fronteira. Porquê a mudança recente? Certamente, não foi por vontade dos líderes húngaros.

13 comentários:

Anónimo disse...

Carlos Pinto:
Não quer ensaiar uma explicação?

Carlos Guimarães Pinto disse...

Quero: UE.

zazie disse...

Pois se eles passavam por todo o lado e eram contrabandeados sem as vedações.

Isto passou a vir a magote e sorte a de todos até existirem vedações porque assim sempre podem entrar com algum controle.

zazie disse...

Sim, foi a UE, pois.

E vai ser pior se chegarem a acordo quanto a números permitidos porque depois mais países em redor vão apanhar com eles a entrarem à maluca.

Alguém vai ter de fazer o papel chato que agora ninguém quer- mandar para trás.

A Dinamarca está a fazer.

Anónimo disse...

Um dado curioso: Muitos dos refugiados são homens jovens cheios de energia.
Não deveriam estar nos seus países a combater a barbárie?
Ou estão à espera que sejam os europeus a deslocarem-se para os esses países para aí combaterem o mal, morrendo muitos deles por uma causa que não é sua?
A fuga é uma deserção do dever de combater pela pátria.

zazie disse...

Que pátria?

Aquilo foi inventado. São tribos e os combates travam-se entre continuador de Unidadade, Liberdade, Socialismo, contra marxismo islâmico e uber-marxismo de sharia.

Aguentaram-se porque viveram 48 anos em Estado de Emergência.

Agora veio um niquito de primavera e ficou assim.

Mas já prometem levar-lhes mais primavera para a coisa acalmar.

zazie disse...

De todo o modo a Síria faz parte da ONU e este nunca pediu ajuda. Antes pelo contrário.

Portanto, se dizem que é para o ajudarem a combater o EI vai ser complicado invadir e colocar fantoche mais prá-frentex.

zazie disse...

Mas sim, 72% são amélias jovens de telemóvel.

Anónimo disse...

A Hungria defende a sua população e cultura como deviam defender os restantes países europeus. Felizmente a Polónia e outros já o fazem também. Marrocos, Turquia também ... Arábia Saudita financia mesquitas na Europa, o Qatar não os quer (saem caros)

zazie disse...

http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/a-crise-de-refugiados-outra-versao-7731963

Antonio Cristovao disse...

Se quiser saber mais do que o desconhecimento que mostra, leia as cronicas no blog delito de opinião do J Nave; vai ver que melhora a qualidade dos posts, que publica.

Harry Lime disse...

Chamar "governo Conservador" ao governo hungaro não é um eufemenismo?

Governo Conservador é o ingles ou o espanhol ou o portugues . O governo Hungaro é um bando de proto-fascistas.

Rui Silva

Harry Lime disse...

Vamos lá ver: há 4 milhoes de refugiados sirios na Turquia, Libano e Jordania. Os que desejam chegar à Europa são uma minoria. Os que efectivamente cá chegam são ainda menos.

E sim, o hungaros estão-se a comportar como uns c****es mas isso só surpreende quem não conhecer o actual governo hungaro.

Rui Silva