18 setembro 2014

não tem partido

Recentemente, escrevi neste blogue que o liberalismo é a primeira ideologia de esquerda e que a direita é o pensamento católico que enformou toda a organização social da Europa Ocidental desde a Idade Média até à modernidade.

O socialismo só surgiu cerca de um século depois do liberalismo, e colocou-se à sua esquerda porque é uma pensamento social ainda mais ofensivo do catolicismo do que o liberalismo. Todos os outros ismos derivam destas duas ideologias. Assim, por exemplo o libertarianismo deriva do liberalismo e o fascismo é uma deriva do socialismo, o mesmo acontecendo com o nazismo.

(A primeira característica do socialismo é a de querer organizar a sociedade a partir do colectivo - o Estado -, ao passo que o liberalismo a organiza a partir do indivíduo e o catolicismo a partir da família)

Ao dizer que o liberalismo e o socialismo são ambos de esquerda, figurei uma linha horizontal onde à esquerda está o liberalismo e onde, ainda mais à esquerda, está o socialismo, mas deixei em branco aquilo que está à direita.

É altura de mencionar um elemento central do pensamento social de direita. Faço-o a propósito de um ou dois posts publicados há tempos, suponho que  pelo Joaquim, em que, depois de dizer que os maiores partidos portugueses são todos de esquerda, lamentava a ausência de um partido de direita em Portugal.

Ora, uma das características - seguramente uma das mais importantes -, do pensamento social de direita é a de que é apartidário. É comunitário. Um homem de direita não tem partido. A direita não tem partidos.

11 comentários:

zazie disse...

Pois será verdade.

Neyhlup Josand disse...

E como é que o Pedro Arroja conta "implantar" AGora o catolicismo em Portugal?

Vá a um casamento católico hoje em dia e a assembleia nem sabe o que dizer nas orações.

Veja quantas pessoas em Portugal lhe responderão: o Estado deve controlar a Economia?

Essas pessoas com cultura "Católica" estão a morrer todas e não há entre os Novos , os suficientes para torná-la mais conhecida.

Até pode tentar "implantar" a "cultura católica" de novo mas terá de lhe chamar outra coisa dados os anticorpos que qualquer associação à Igreja Católica provocam.

Se não acredita é porque tem andado pouco entre a "comunidade".

Esse país de que fala já não existe!

A mentalidade portuguesa maioritária é liberal para eles mesmos e colectivista para o dos outros.

A sorte é que uma minoria de pessoas com bom senso ainda vão mantendo o país a andar...

Vivendi disse...

Muito bem. Sou de direita e não tenho partidos.

jorge gaspar disse...

O Pedro Arroja é um idiota. Diz tantas palermices como aqueles que vão falar aos canais de informativos. O facto de uns serem socialistas e o Pedro Arroja não ser não faz com que uns sejam idiotas e o Arroja não seja. É tão idiota como eles.
O Pedro Arroja acha por exemplo que existe uma linha em que se colocam todos os pensamentos sociais. Da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda estão todos nessa linha. É a linha mágica do Arroja.
Acha o Arroja que o liberalismo defende o individualismo e o catolicismo a família. É tão atrasado que não percebe que o que os autores liberais dizem, é que a família não é uma criação do estado, também não é uma criação religiosa, a família é criada por motivos individuais. São os indivíduos que decidem viver em família.
O Arroja, considerando que os regimes fascistas são de esquerda e o catolicismo de direita, não consegue compreender o porquê de na Europa os fascismos terem coexistido com um forte poder religioso católico. Devia ser uma grande confusão, uns a quererem organizar socialmente á esquerda e os outros á direita. Passa a ser conhecido como o Milagre de Arroja.

"Ora, uma das características - seguramente uma das mais importantes -, do pensamento social de direita é a de que é apartidário. É comunitário."

O Arroja ainda não percebeu nada do que se passou no mundo. Continua a querer que a sociedade se organize da forma como se organizava quando esta era maioritariamente rural.

O Arroja mete tudo no mesmo saco (esquerda) deixando apenas o catolicismo de lado. O Arroja nem precisa de pensar, basta continuar a dizer umas bacoradas para ter logo os idiotas atrás com os braços bem levantados, a bater palmas interminavelmente.
Sempre que o Arroja faz um post, penso logo na Constança Cunha e Sá

cfe disse...

Se os autores liberais dizem então deve ser.

jorge gaspar disse...

cfe se diz o Arroja então é de certeza

Rui Alves disse...

O Arroja, considerando que os regimes fascistas são de esquerda e o catolicismo de direita, não consegue compreender o porquê de na Europa os fascismos terem coexistido com um forte poder religioso católico.

Coexistiram?!

http://pt.wikipedia.org/wiki/Non_abbiamo_bisogno

Cfe disse...

Meu caro Jorge Gaspar, sugiro que leia artigos de Olavo de Carvalho, que é um - talvez o mais - dos filósofos brasileiros vivos. Mora nos EUA devido a perseguição política que sofre no Brasil. Praticamente tudo que diz - e que muita oposição como a sua sofre - vem a comprovar-se anos depois.
Porque digo isso? Porque a analogia dos sistemas de governo são semelhantes. Embora o Arroja chame-lhe cultura católica e ele chame de judaico-cristã.

manel z disse...

Uma provocação: catolic-ISMO

Anónimo disse...

Pobre o país cujos filósofos mais conhecidos são Pondé e Olavo de Carvalho. Não peço Sêneca, não peço Montaigne, não peço Zenão.

Mas Carvalho e Pondé?

Neyhlup Josand disse...

No entender do Gaspar... quem não é idiota? Existe alguém que seja capaz de mencionar?

E o que defende? Só se opõe ou tem alguma ideia própria?