07 setembro 2014

Era um intelectual de esquerda

O Hayek era um intelectual de direita ou de esquerda?

Estou certo que 99 em cada cem pessoas em Portugal, minimamente familiarizadas com o nome e a obra deste economista liberal, vão responder que era de direita.

Errado. Era um intelectual de esquerda.

As designações esquerda e direita foram criadas durante a Revolução Francesa. Na Assembleia Constituinte, à esquerda do Rei sentaram-se aqueles que queriam alterar a ordem social estabelecida. Eram os liberais (o socialismo não existia na altura), homens influenciados pelas ideias de intelectuais como David Hume, Adam Smith e Rousseau (todos amigos entre si). À direita sentaram-se aqueles que queriam conservar a ordem social estabelecida, que era a ordem social que desde há séculos enformava todos os países da Europa Ocidental e que tinha como matriz o catolicismo.

No Reino Unido os dois primeiros partidos são o Whig Party e o Tory Party, este último o Partido Conservador que ainda hoje existe e é reconhecido como o Partido de direita. O Whig Party era o Partido da Esquerda que mais tarde deu origem ao Liberal Party e este ao actual Labour Party, hoje reconhecidamente o grande partido de esquerda do país.

No seu célebre ensaio "Why I am not a Conservative", Hayek diz no título que não é um  conservador (Tory) e no texto afirma-se categoricamente como um Old Whig. Ora, o  Whig Party era o partido da  esquerda, um partido protestante (calvinista, na variedade presbiteriana que teve origem na Escócia) profundamente anti-católico, constitucionalista, radical, livre-cambista, etc., profundamente anti-tudo o que era a tradição católica que os países do sul da Europa, como Portugal, Espanha e Itália conservaram. Nas palavras do Joaquim, o Whig Party era o partido da populaça.

O Hayek era um intelectual de esquerda.

Mas então como é que se generalizou a ideia de que o Hayek era um intelectual de direita?

Simples. Imagine uma linha horizontal em que eu ponho à esquerda o Liberalismo e mais à esquerda ainda o Socialismo. Visto do Socialismo, o Liberalismo está à direita. Mas quem olhar para a linha toda vê perfeitamente que ambos estão à esquerda. 
 
 

7 comentários:

Anónimo disse...

Se juntar as pontas dessa linha imaginária faz um circulo. Se cortar então a linha no ponto intermedio entre o tal socialismo e o liberalismo e esticar novamente a linha fica com uma das pontas da linha no liberal e a outra ponta socialista.
.
Porém se voltar a juntar as pontas mas fazendo-o para o lado contrario aos do corte fica o socialismo e liberalismo quase juntas novamente porém em posicções diferentes ao observador comum. O socialismo mais à direita e o liberalismo mais à esquerda.
.
Agora, se a linha cortada for posta na vertical ficaremos com o socialismo em cima o liberalismo em baixo. Se fizermos o pino vemos a coisa ao contrario.
.
Em suma, não interessa lá muito se a coisa é de esquerda ou de direita, de cima ou de baixo, da frente ou de trás. Interessa sobretudo se as ideias especificas de um e de outros interessa a uma comunidade concreta.
.
Por exemplo, se à direita do rei se sentavam os que queriam conservar e à esquerda os que queriam desconservar, o único gajo com bom senso é aquele que está ali no meio dos dois. O Rei. Que vai ouvindo os palermas de um lado e do outro e aproveitar o que de bom cada inurgumeno vai dizendo.
.
O probelam é que o gajo de bom senso desapareceu de forma que agora só se aproveita o que de mau cada palerma vai dizendo.
.
Rb

zazie disse...

O materialismo e as leis da economia a determinarem tudo é que é a base.

Depois, se o capricho do euzinho iluminado se impõe de fora para dentro ou colectivamente de dentro para fora, a questão vai dar ao mesmo.

zazie disse...

E é, claro, fazer tábua rasa de toda a tradição e fazer a engenharia social para corrigir a bondade ou maldade da natureza humana. Tanto faz.

É uma mera variante de shigalovismo

zazie disse...

No apalpanço à alminha humana também são muito engraçados.

Os que acham que é boazinha, tratam logo de lhe espicaçar a inveja e a revolta; os que acham que é mázinha, também inventam maneiras de tirar partido desse defeito.

zazie disse...

São filhos de Darwin e basta.

Ou o inverso- Darwin é que é fruto destas iluminações da Razão.

Pedro Sá disse...

O Hayek tem mesmo aquela postura medrosa, de pavor face ao futuro, de camponês. Fiquei horrorizado quando li "O Caminho para a Servidão".

Ah. E o Labour não foi criado a partir dos Whigs.

mujahedin مجاهدين disse...

Ui que temos um Sázinho todo urbano...

É o que eu digo... falta a muita gentinha pegar numa enxada... ou levar com ela pelos cornos abaixo.