04 março 2017

mulheres

Cristo escolheu doze homens como seus embaixadores ou enviados - os apóstolos.

Para pregar o cristianismo em público, ele só quis homens, uma tradição que a Igreja ainda hoje mantém.

Por que é que ele não terá querido mulheres?

Seria Ele uma irascível machista, que hoje estaria sob a mira da CIG?

21 comentários:

Anónimo disse...

Depois de muito meditar sobre o assunto, acho que era para poder demonstrar às mulheres que o homem, que era obrigado pelas mulheres a ficar em casa a educar os filhos e na lida da casa, que o homem, dizia eu, também era capaz de desempenhar funções importantes na sociedade.

Ricciardi disse...

Se Cristo vivesse no século XXI teria escolhido algumas mulheres. Mudam-se os tempos mudam-se as vontades. Naquele tempo é compreensível que não escolhesse uma mulher. O que não é compreensível é que nós dias de hoje ajam pessoas culturalmente atrasadas 2 mil anos.
.
Rb

Ricciardi disse...

Hajam

Ricciardi disse...

É apenas uma questão de tempo para que a igreja ordene mulheres para alguns cargos até aqui reservados a homens. E não falta muito tempo para isso acontecer, felizmente.
.
Rb

zazie disse...

É, vão as feministas para a "ordenha". Já não precisam de queimar sutiãs.

Adelino Ferreira disse...

zazie, não te consegues livrar do ambiente onde nasceste e te criaram. A tua linguagem de esgoto vai levar-te ao inferno.

marina disse...

quê ? as mulheres iam com a prole atrás pregar? ou deixavam as crianças na creche? ou era as solteiras que iam atrás do Senhor? :) :)

Adelino Ferreira disse...

zazie, não te consegues livrar do ambiente onde nasceste e te criaram. A tua linguagem de esgoto vai levar-te ao inferno.

zazie disse...

Que cheiro a peixe.

zazie disse...

As solteiras iam mais atrás dos goliardos e para a taberna

AHAHAHAHAH

Estes progressistas são uma anedota.

zazie disse...

Tanto andam numa de pansexualismo, como querem dar missa

":O)))))))))))

Adelino Ferreira disse...

És uma herege que não respeitas o Papa Francisco. Vais morrer como o cão do Miguel. Enquanto vier o subsídio dos "bifes" a tesouraria vai andando.

Anónimo disse...

O buda, o imã, o rabino, etc, etc, são tudo homens. Pelos vistos não é exclusividade da religião cristâ.

zazie disse...

E se fosses dar assistência ao rosário que tens em casa, ó psicopato?

12 disse...

O zodiaco é constituido por 12 signos; para os romanos havia 12 deuses harmoniosos. Jesus não escolheu nada. A Igreja escolheu por ele...

Rui Alves disse...

O zodiaco é constituido por 12 signos; para os romanos havia 12 deuses harmoniosos. Jesus não escolheu nada. A Igreja escolheu por ele...

Ah não! Outra vez essa história do cristianismo versus deuses romanos!

Sim, muitos dos elementos do cristianismo foram adaptados, quando da sua implantação pelo imperador Constantino, das religiões pagãs. A começar pela própria data do Natal. Factos que a própria Igreja assume. E depois?

Foi uma forma de facilitar a conversão desses povos e de implantar o cristianismo de forma pacífica, sem choques. Imaginem o cataclismo político e social que seria, se tentasse fazer tábua rasa de todas as datas e divindades que até à data eram fundamentais nessas culturas.

Nenhuma religião começou do zero, sem influência de outras anteriores. O próprio livro do Génesis, tão fundamental em pelo menos três religiões, importou (e muito) elementos da antiquíssima cultura suméria. Mas isso não lhe retira o seu merecido valor na tradição judaico-cristã.

PS: E por favor acabem de vez com esse assunto, antes que um conhecido jornalista de cá do burgo se lembre de arranjar matéria para mais um livro.

12 disse...

E depois? Depois o "teólogo" Arroja quer justificar e legitimar a proibição do sacerdócio feminino recorrendo a uma falsa historinha que lhe contaram na catequese, quando é hoje sabido que os discípulos de Jesus eram mais de doze e incluíam mulheres. Portanto, está apenas a reproduzir a mentalidade e cultura patriarcal da época, servindo-se do "exemplo" do pobre Jesus (que continua a ser sacrificado) e seguindo o exemplo da poderosa Igreja, que fez o mesmo há quase 2000 anos.
Agora, quando você diz que a implantação do cristianismo decorreu sem choques e de forma pacífica devido à integração de elementos religiosos pagãos está a esquecer-se que o mundo romano, no tempo do Constantino, estava em processo de decadência, que seguidamente se deram as invasões dos bárbaros e está a dar força à ideia de que as religiões são apenas uma expressão ideológica da realidade social em que surgem, já que esse cristianismo paganizado (ou paganismo cristianizado) mais não seria do que a imagem ideológica de um mundo social em transformação e a caminhar gradualmente para o feudalismo, onde Deus passará a ser designado como O Senhor (dos senhores).
E, nessa medida, o cristianismo não é superior ou mais verdadeiro que as outras religiões, sendo apenas mais uma visão do mundo, que é indissociável do tempo e da realidade social onde surgiu. Podia fazer sentido e ser "verdade" há 1000 anos, mas hoje já não faz pois a realidade mudou, e mudou graças ao capitalismo no qual os senhores já não têm lugar. E da mesma forma que a festividade do solstício de Inverno deu ("naturalmente" e "pacificamente") lugar à festividade do nascimento de Jesus, esta festividade cristã deu lugar à festa do consumismo desenfreado simbolizado pelo Pai Natal. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades... e mudam-se os cultos, as religiões e as conversões. E depois?

Anónimo disse...

Porque é que Jesus só escolheu mulheres? Que pergunta parva. Pedro Arroja, Jesus viveu há dois mil anos... dois mil. Dito de outra forma, para que perceba: 2.000 anos. Porque raio iria nesse tempo Jesus escolher mulheres? Alguém dê umas noções básicas de História ao Pedro Arroja, por favor.

Rui Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rui Alves disse...

Caro 12

quando é hoje sabido que os discípulos de Jesus eram mais de doze e incluíam mulheres

Esse facto é conhecido não só hoje, mas desde sempre.

Repare que no post, o autor fala de apóstolos, não de discípulos.

Claro que também não seriam 72 discípulos, como é dito na passagem que acabei de referir, esse número é simbólico, como o são muitas referências evangélicas. Mas dos evangelhos depreende-se que os apóstolos seriam um grupo de doze, escolhido entre os demais discípulos.

Quanto aos doze deuses harmoniosos, que referiu, seria uma hipótese mais plausível se os evangelistas não tivessem já referido os doze apóstolos, muitos séculos antes do imperador Constantino aparecer. Nos evangelhos há muitas referências aos doze, como aqui, no versículo 14.

A. disse...

Com canalha e Mulheres, nem o diabo se meteu!...