10 setembro 2014

Revisão da matéria

Seja qual for o raciocínio retorcido e falacioso de quem pensa ser a expansão de crédito artificial (ao subverter o contrato de depósito) uma espécie de almoço grátis, há um ponto que não conseguem negar:
- o povo tem o direito à posse sem risco da sua poupança monetária e se o quiser, aplicar essa poupança monetária em contratos de crédito a um dado prazo, a troco de um juro e assumindo um risco.
De resto, decorre do direito civil.

O bitcoin curiosamente consegue isso. A posse física de ouro e prata também. Existem hoje contas correntes de ouro e prata físico como contratos de verdadeiro depósito (ver goldmoney.com).

E ainda que fosse verdade, e não é de todo, que assim se promove de alguma forma (o tal almoço grátis...), mais crescimento económico, quem quer aqui defender que o "capitalismo financeiro e o crescimento obsessivo à custa de bolhas" é algum fim último do povo?

Relembrando outros tempos num post anterior:

Moeda e crescimento

Análise do período de 1870 a 1900 nos EUA:
Índice de Preços nos EUA em 1870: 12.65.
Índice de Preços nos EUA em 1900: 8.14.
PIB per capita EUA (2009 usd) em 1870: 3 040 Usd.
PIB per capita EUA (2009 usd) em 1900: 6004 Usd.
Portanto, num período sem guerras nos EUA, em que vigorou o padrão-ouro sem Banco Central (o FED foi criado em 1913) temos:
Deflação (queda de preços) no período: – 35.6%.
Crescimento no período: 97.5%.
Conclusão: crescimento com estabilidade monetária traduz-se na queda de custos e preços unitários. A queda de preços unitários não entrava o crescimento – é o próprio crescimento.
E quanto aos salários nominais? Tenho defendido que a queda de preços derivada do aumento da produtividade (queda de custos) em nada implica uma queda dos salários nominais, porque, como é evidente, o aumento de produtividade é conseguido pelo menor número de horas total necessárias por unidade de produto e não por redução do custo por hora desse salário. São as horas “libertadas” de um dado nível de produção que permite que mais produção do mesmo ou outro produto tenha lugar, a ser adquirido pelo poder de compra adicional materializado na poupança nominal conseguida com a descida do preço.
Vamos então ver os salários nominais no período em causa (não só não desceu, como subiu em termos nominais, como nota adicional manteve-se sensivelmente igual até 1883):
Salário nominal por hora em 1870: 0.11 Usd
Salário nominal por hora em 1900: 0.14 Usd
O que está aqui expresso é quase uma blasfémia para a doutrina económica corrente, mas que cada vez é mais difícil de contradizerem.
Todos os dados retirados de: http://www.measuringworth.com

37 comentários:

tric disse...

quando é que Portugal sai do Euro?

tric disse...

A familia Espirito Santo deve liderar a saida do Euro!

Anónimo disse...

CN,

"posse sem risco da sua poupança monetária"

Onde?...

Zeze

CN disse...

Sem risco de crédito.

É o ponto das reservas de 100%.

Anónimo disse...

CN,

Vc está a agarrar-se a um detalhe, finca o pé e ignora o resto das variáveis. Como explicou bem o Rb ontem, com reservas a 100% vc anula o risco de crédito (na verdade anula o crédito) mas não anula o risco que lhe roubem a massa. Aliás até penso que o aumenta porque ter as caixas fortes dos bancos a abarrotar de notas... E a ganância dos homens é grande e conhecida. A mesma que faz com que, ciclicamente, o crédito expluda e dê origem a uma bolha, lá arranjará forma de, ciclicamente, roubar as poupanças de uma vida "aos velhinhos".
Outra coisa é pensar-se em aumentar a % de reservas obrigatórias nos bancos, separar banca de investimento de banca comercial (se bem que nem sempre exista uma linha clara entre as duas) e, o mais importante de tudo (na minha opinião) não deixar que os bancos se tornem "too big to fail".
Mas conseguir que todos adoptem as mesmas regras num Mundo que, como vc disse algures, é uma anarquia de países (desculpe se não foi exactamente este o termo) é tarefa impossível.
E não estou a ver muito bem como é que, em sistemas abertos, se safavam bancos com reservas de 100% a concorrer com os outros.
Cumprimentos,
Zeze

CN disse...

1. Portanto, o facto de poder existir um crime de fraude, extremamente fácil de detectar, é motivo para legalizar o crime de fraude.

2. Para poderem existir depositos com 100% de reservas, o BC tem obviamente de o permitir operacionalmente, coisa que não é possível hoje em dia. Ou seja, o BC teria de permitir ter uma conta de reservas separada da restante actividade de movimentos, para as contas com 100% de reservas. Só assim isolaria os problemas do banco com a restante actividade, dessas contas.

3. Num sistema aberto, a moeda de maior qualidade afasta a de pior qualidade.

Anónimo disse...

#1
Efectivamente, o sistema bancário começou exactamente no facto de haverem bancos que se dedicavam à guarda de dinheiro. Chegou-se à conclusão que os banqueiros afinal o emprestavam. Fosse legal ou ilegal na verdade o dinheiro era emprestado. Foi esta ilegalidade que originou o actual sistema bancário.
.
Querer regressar ao passado é não ter percebido porque é que a coisa evoluiu.
.
Na verdade, os banqueiros emprestavam dinheiro porque os depositantes não utilizavam boa parte dos seus depositos.
.
Anyway, volto a dizer-lhe CN. Se vc quiser ter o seu dinheiro à guarda não precisa de ter um banco. Pode alugar cofres. Vc é perfeitamente livre de optar por guardar num ou depositar num banco.
.
Não vejo mal algum que surjam bancos de depositos. Podiam chamar-se de Caixas-Forte. Vc pode constituir uma Caixa Forte. Ninguém o impede.
.
Se quiser pode ter acesso a cartões de débito e crédito para fazer pagamentos sem precisar de ter conta bancária. Basta adquir um cartão com pré-carregamento.
.
#2
A queda nos preços por aumento de produtividade é bom porque mantem ou aumenta margens de lucro aos empresários, ao contrario da deflação perniciosa actual que deriva apenas de um colpaso na procura, o que significa que os lucros diminuem, bem como a capacidade de investimento.
.
Rb

Anónimo disse...

e o colapso na procura deriva de quê ?
e o que causa o colapso na procura deriva de quê ?

Anónimo disse...

Caro CN,
O "Zé" gosta que lhe remunerem as poupanças. Experimente vender os serviços da sua caixa forte com taxa zero e despesas de manutenção e vai ver quantos "Zés" vai angariar como clientes.
Zeze

CN disse...

Sò tem que fazer depósitos a prazo, por exemplo, de uma semana, renováveis.

Anónimo disse...

O QUE É O PARAÍSO?
é um lugar onde:
- a polícia é britânica
- os cozinheiros são franceses
- os mecânicos são alemães
- os amantes são portugueses
- e tudo é organizado pelos suíços

O QUE É O INFERNO?
é um lugar onde:
- a polícia é alemã
- os cozinheiros são ingleses
- os mecânicos são franceses
- os amantes são suíços
- e tudo é organizado pelos portugueses

zazie disse...

Como se os bancos de investimento nem servissem para nada...

CsA disse...

zeze e rb

Conseguem então arranjar algum argumento para o conteúdo do post?

Algum argumento que explique como foi possível os EUA terem vivido o maior progresso e crescimento económico da sua historia num período em que não havia um banco central a manipular os juros e a oferta monetária?

Anónimo disse...

Csa,
.
http://www.measuringworth.com
.
.
Ano / Real GDP per capita
1800 1,509.1
1913 6,663.9
.
Crescimento médio anual = 3,9%
.
.
1913 6,663
2013 49,643.0
.
Crescimento médio anual = 7,4%
.
OBS. Real GDP desconta os efeitos da inflação.
.
Rb

Anónimo disse...

Caro CsA,
1/ Ir buscar uma série temporal limitada e tirar conclusões gerais não me parece correcto. Parece a discussão sobre o aquecimento global e números arranjam-se para todos os gostos e para justificar tudo e o seu contrário.
2/ Não questiono os problemas e riscos que decorrem da expansão da oferta monetária. Mas discutir hoje reservas de 100% só faz sentido no plano teórico. E o CN leva isto muito a peito como se fosse possível ser aplicado. Eu penso que não é e acho preferível tentar melhorar o sistema actual, nomeadamente apertando as regras, do que discutir uma solução que, no meu ponto de vista, não é mais do que uma utopia.
Cump.
Zeze

zazie disse...

Todas as bolhas se prendem com "enharias de modelos matemáticos" nos bancos de investimento.

Como é óbvio, a finança vive desses bancos de investimento e não das poupançazinhas que se podiam guardar no colchão.

Esta conversa tem barbas e o CN passa sempre à frente daquilo para o qual não tem resposta.

zazie disse...

Os modelos, as alavancagens e operações malucas às quais a globalização e os aprendizes de feiticeiro vieram dar uma forcinha.

O resto é a ganância e essa não tem grande remédio.

Dizer que é bom não controlar o que gera as bolhas poque vamos voltar ao tempo das caixas-fortes, sem ninguém a investir nada, é o mesmo que dizer que vamso voltar à Pré-História

zazie disse...

E a tal cena do outro, claro. O ouro na lua, do Fritz Lang quando também esse foi açambarcado por outros.

E as pessoas preferiam gastar ouro em compras em vez de papel por ele.

Há gente maluca, mas os ancap ultrapassam tudo.

":OP

CsA disse...

Há quem defenda um sistema com 100% de reservas (como Rothbard)... mas e se esse sistema de reserva fosse deixado ao mercado livre? Onde cada pessoa decidia em que banco por o seu dinheiro conforme achasse mais seguro ou conforme a % de juro q lhe fosse oferecida. Claro que não poderia haver um banco central a manipular taxas de juro nem a servir de "lender of last resort" nem um estado a dar garantias bancárias. Quem decidisse por o seu dinheiro num banco com reservas baixas teria de sofrer as consequências caso houvesse um "bank run"...

CsA disse...

CN, gostava de ler a sua opinião sobre a ideia do meu comentário de um sistema de reservas deixado ao mercado livre (defendida por Mises).

zazie, está na altura de mudar o "chip". Se a expansão crediticia é responsável pelo actual ciclo económico (bolhas e recessões) não acha que cair sempre no mesmo erro e esperar por uma solução do banco central/governo (cuja receita é sempre a mesma) é falta de bom senso? Não se trata de regressar ao passado nem à pre-história, trata-se de arranjar novas soluções para o problema que existe. E estas soluções só aparecerão com debate de ideias e claro mente aberta...

CN disse...

Zazie

Sem expansão de crédito (sem poupança), não há bolha que não acabe nos estágios mais cedos.

Anónimo disse...

CsA,
Um sistema de reservas deixado ao mercado não impediria um banco de se alavancar até ao limite, estourar, ser considerado um risco sistémico e ser salvo pelo Estado. Nessa altura vc dirá: é deixá-lo cair, só lá meteu dinheiro quem quis. Mas acha mesmo que depois ia cair? Se nem o BBP ou o BPN se deixa cair... Quem meteu dinheiro no BPP sabia bem o que estava a fazer e nem esse, que não era nada sistémico, deixaram ir ao fundo.
Politicamente é sempre mais fácil dividir o prejuízo pela populaça toda (que nem sente logo porque não lhe vão ao bolso imediatamente) do que deixar que os "Zés" fiquem sem o dinheiro que tinham em DPs.
Pelo que a situação seria a mesma de hoje: na verdade nunca se deixa cair um banco grande.
E, por outro lado, bancos que optassem por reservas altas eram menos competitivos e fechavam as portas. Como já disse o rb, para reservas a 100% podemos deixar as notas num cofre - eles estão lá para isso mas segundo sei há bancos a fechar cofres porque não têm procura.
A malta quer é festa, meu caro amigo! E isso de reservas a 100%, sem pagar juros e a cobrar comissões de manutenção de 100 ou 200 euros por ano não serve a 98% dos depositantes.
Cump.

Anónimo disse...

Esta discussão faz-me lembrar uma história sobre o que terá dito Franco ao Fraga Iribarne quando este lhe apresentou uma proposta para uma nova constituição Espanhola: "Está muito bom Fraga. Para que país é?..."
Não sei se foi verdade mas dá uma boa história.
O CN às vezes cabe neste papel: muito bem, mas é para aplicar onde?...

Anónimo disse...

Zeze (nos 2 últimos posts) ;-)

CsA disse...

Anonimo,

É exatamente aí que eu quero chegar. É por haver intervenção do governo e do banco central que os bancos não têm um incentivo que os permite alavancar de forma calculada, pois por mais regulação que haja podem fazer a porcaria que quiserem pois sabem que serão sempre salvos...

Tem razão que nada impediria a um banco de se alavancar ate ao limite... vamos imaginar q existe então o estoiro e o banco não é salvo e os depositantes desse banco arcam com as consequências. Não acha q a seguir os depositantes não iriam pensar 2x onde aplicar o seu dinheiro e os bancos teriam mais cautela e teriam de ajustar o seu sistema de reserva? Os depositantes/investidores menos adversos a risco punham o €€€ onde bem entendessem e os mais adversos ao risco certamente que não se importariam de por parte do seu €€€ num banco com 100% de reserva mesmo que não desse juro ;)

Anónimo disse...

Caro CsA,
Não partilho a sua fé de que os homens aprendem com os erros do passado. A história diz-nos que não é assim.
E a ganância? Não só dos banqueiros mas também dos "zés" que querem ver as poupanças a crescer. Vão levar na cabeça um dia, mas vão voltar a fazer o mesmo passado algum tempo. Veja as bolhas bolsistas e diga-me se alguém aprende alguma coisa com um crash.
Tenho mais fé no meu cão: dei-lhe no focinho umas poucas vezes e agora já sabe que não pode entrar em casa sem eu dizer que sim.
Finalmente, não vejo um governo a deixar cair um banco grande para "ensinar a malta". Esqueça. O Mundo em que vivemos é este e não o que gostaríamos que fosse.
Note bem que eu até simpatizo com a ideia, mas não vejo como posso ser aplicada.
Cump.
Zeze

zazie disse...

CsA

Vá dar uma volta ao bilhar grande.

V.s nem sabem do que falam.

Qualquer trader se ria dos disparates que dizem.

A finança nada tem a ver com essa caricatura que o CN conta dos pequenos bancos de depósitos onde as pessoas guardam o dinheiro.

A finança moderna funciona por bancos que nem estão abertos ao público vulgar- os bancos de investimento.

As operações que se fazem aí nenhum investidor entende ou controla.

Apenas podem existir leis para impedir alguns malabarismos que acabam por levar os próprios à ruína.

A uns e não a outros, porque, como em tudo, há quem venda gato por lebre e crie as próprias bolhas.

Dizer-se que isto se resolvia com a treta de não haver alavancagem porqeu ficava tudo guardado em barras de ouro na casa-fore do Tio Patilhas é de loucos.

De loucos que brincam com estas tretas como podiam jogar ao berlinde ou às aricas.

Nada têm a ver com finança e inventam estas tretas precisamente por servirem para catadura ideológica e masturbação intelectual da tribo.

zazie disse...

A cena da poupança, já era CN.

V. ainda não percebeu que esta cena da "emergência do terceiro mundo" e da globalização significa isso mesmo- que poupança já era porque é possível vender tempo por gerações.

Chama-se a isso progresso, ou sei lá o quê mas é assim e não há o menor sinal que volte aos tempos dos Mediccis.

zazie disse...

Toda a economia mundial existe precisamente por poder ultrapassar gerações de poupança.

Ponto final

Que isto é um exagero, também acho.

Mas é um exagero que todos pediram porque toda a gente quer o progresso da humanindade e assim.

Só estão contra os maluquinhos neo-hippies do Alentejo.

Esses é que vivem sem expansão nem bolhas- só do sol, do maor livre e enquanto não aparece o reumático.

Depois devem eutanizar-se porque também são muito alternativos e nada querem com este mundo capitalista.

Como v.s não querem- querem utopia com barras de ourro e pepitas para se ir comprar cigarros.

zazie disse...

Esta história do CN e mailos austríacos é para se aplicar na Narragonia a cantarem yodelings

zazie disse...

http://www.youtube.com/watch?v=XDerGT5wskU

Sem expansão. Sem bolha- é o futuro

":OP

zazie disse...

O CsA ainda não descobriu que o odernado dlee não é depositado num banco de investimento.

Ainda não percebeu que tradding não é coisa feita pela menina que o atende ao balcão e que existe em muito mais lados sem serem bancos.

Imagine-se só que até as universidades e empresas de informação podem fazer essas coisas sem o pessoal precisar de ir lá depositar as poupanças...

zazie disse...

Os nossos austríacos são os alentejanos do neotontismo

AHHAHAHAHAHAHAHA

CN disse...

"sistema de reservas deixado ao mercado livre (defendida por Mises)."

Não é propriamente defendida, as reservas livres sem BC inflacionista, como o foi nos EUA em parte até certa altura, permite conter o inflacionismo pel medo da falência / corrida ao banco.

zazie disse...

A História não se resume aos EUA e FED

CN disse...

Mas quanto à ideia em si, que é denominada de "free banking" eu tenho uma tese sobre o assunto que está no primeiro ensaio. POsso inserir em post.

CsA disse...

CN ficaria agradecido.