06 fevereiro 2014

Portugal é uma figura de mulher*


Estava a bebericar o meu gin tónico no bar do Ritz quando ela entrou. Fiquei sem conseguir desviar os olhos daquele anjo... pelo menos com 1,80 m, com o cabelo cor de avelã solto pelos ombros, periclitante nos seus “stilettos”.
Que figura de mulher... e vinha na minha direção, desviando cabeças e torcendo o pescoço dos invejosos.
-       Olá, eu sou a Irina – disse-me, com um leve sotaque.
-       Olá, estava à tua espera. Nunca imaginei que fosses tão bonita...
-       Desculpa o atraso, apanhei muito movimento – o sorriso agradecia o meu elogio.
Ficamos a tagarelar durante algum tempo, até que ela me tocou na mão e perguntou:
-       Queres ir até ao quarto?
Levantamo-nos, desafiando os olhares concupiscentes e lá fomos....
Sós... toco-lhe no cabelo e encosto-a ao meu peito. Sinto o rosto dela frio no meu pescoço e o cheiro espantoso do seu corpo.
-       És um anjo Irina, se eu soubesse que existias tinha ido à Rússia raptar-te...
-       Ahahah
Os lábio dela escaldam e contrastam com a face que continua fresca...
Gostava de continuar a contar todos os detalhes deste encontro erótico, mas a verdade é que não guardo uma memória descritiva do que ocorreu. Passei-me para o outro lado de qualquer coisa, do espelho, da vida, do cosmos...
Acordei apenas com os gemidos da Irina e as suas unhas cravadas na minha carne.
-       Acaba comigo... f___-me!
Tirei a Lolita – o meu vibrador miniatura – da minha bolsa Chloé e aproximei-me dela. Parecia tresloucada... trincava-me as mamas e acariciava-me a vulva com os seus dedos delicados.
Aperto-a com força contra mim e ela soçobra lentamente. Abre os olhos, mas parece agora mais distante. A magia da imaginação, para a Irina, parece ter ficado aquém da realidade.
‹‹O meu medo é o do inconseguimento, de não realizar todo o potencial deste anjo›› - penso. Se eu fosse homem sentiria a mesma insegurança? Será que não me dispersaria tanto? Será que ficaria mais vigilante, mais focado nos objectivos da Irina?
‹‹Tenho medo... ››
- Irina, tens gatos?

Vera (todos os personagens são ficcionais)

* Subtítulo de F., bestseller do PA

Comentário: É muito difícil uma sociedade feminina definir objectivos e perseguí-los com tenacidade. Falta-lhe algo...

17 comentários:

Anónimo disse...

Comunicado da Comissão para a Virtude e Prevenção do Vício.

O bloguer Joaquim, não deve fazer passar a sua mensagem usando narrativas erótico-pornográficas.

Se persistir no erro, será conduzido a Meca e vergastado na presença de Sua Excelência o Príncipe Abdel Ibn-Saud.

O Inquisidor
Ali Akbar-deKagar

mujahedin مجاهدين disse...

Já se percebe bem que a América tenha exercido tanto fascínio no susceptível doutor - a terra da independência, dos bravos (patos?), libardade, etc:

Põem-lhe um país como figura de mulher, e ele só pensa em f___-la.

Realmente, na gringolândia é que estava bem...

zazie disse...

Mas que anormalidade é esta.

Se fosse uma velha de 61 anos a postar isto queria ver.

Chamavam-lhe o que merecia- gaiteira fora de prazo.

Anónimo disse...

Olá Zazie,

Não seja inconseguida. É apenas uma brincadeira para demontrar que uma sociedade feminina tem dificuldades de concretização.

Eu achei piada e não é uma história ofensiva.

:-)

Joaquim

zazie disse...

Também não acho ofensiva.

Apenas quis dizer que v. se expõe demais, mesmo em se disfarçando de mulher

eheehhe

E aposto que nem tem os problemas que finge, ainda que não tenha unhas para chegar onde gostava.

":OP

Anónimo disse...

Passou-se!

Anónimo disse...

Passou-se!

joserui disse...

Joaquim se mal pergunte... não anda inconseguido, ou anda?... -- JRF

marina disse...

muito bem. é assim qualquer coisa entre delta de venus e opus pistorum :)

Francisco disse...

Joaquim, por este caminho ainda vai a tempo de escrever o seu próprio best seller, enquanto a moda do 50 grays of shade não passar.

Francisco disse...

shades of gray... a minha dislexia

Anónimo disse...

Olá Francisco,

Estou a pensar nisso, mas quero um romance conseguido, não inconseguido...

Joaquim

Pedro Sá disse...

Uma das minhas palavras preferidas é mesmo VULVA. Obrigado Joaquim!

Anónimo disse...

Caro Pedro Sá,

Muito bem, mas se se sentir inconseguido contente-se com VOLVO

Joaquim

Anónimo disse...

A referencis à carteira Chloe (1500euros no minimo ) embrulha a narrativa num perfil porno-chic.Fantastico.

zézinho disse...

Ao contrário do que seria de esperar, mal acabara de ler o sonho erótico do dr. Joaquim deu-me um ataque súbito de preguiça fálica, como costumava dizer, escusando-se às piquenas, o engraçado mas já falecido coronel Aventino, quando amesendava ali no seu quartel do Procópio.
Isto para me confessar francamente preocupado pelo infausto acontecimento, estando a ponderar mesmo um pedido de indemnização ao autor, por perdas e danos graves. Entretanto vou aguardar estoicamente que isto passe. Quer dizer, que isto alce.

lusitânea disse...

E Deus dá nozes a quem não tem dentes...coisa que o Papa Francisco ainda não nos abordou...