28 fevereiro 2014

os obstetras não são corruptos


Por gentileza da Drª Aida Isabel Tavares, da Universidade de Aveiro, recebi o texto do seu trabalho de investigação sobre o número de cesarianas em Portugal. Trabalho que só conhecia através de artigo do Expresso que critiquei aqui no PC.
Nesse trabalho – The demand factors for cesareans in Portugal - some preliminary results – é claramente afirmado o seguinte:
‹‹However, the trade-off between cesarean birth and natural birth is clear. Cesareans have higher risk and are more expensive than natural births, while cesareans are more appropriate under some conditions (Muinelo et al., 2005).››
Ora o que eu disse e mantenho é que, actualmente, os riscos associados às cesarianas são idênticos (ponderadas as diferenças) aos risco associados aos partos naturais. É por essa razão que o NHS dá liberdade de escolha às parturientes e em Portugal se faz o mesmo.
Afirmar o contrário é errado.
As autoras apoiam-se ainda num artigo obscuro de 1963 (Arrow) para afirmar que os procedimentos médicos podem ser induzidos pelos especialistas devido à assimetria de informação entres médicos e doentes. Esta assunção, com que não concordo, merece ser analisada em profundidade, só que não o farei agora.
Vamos ao resto do estudo:
‹‹The most relevant result is the evidence that induced demand for cesareans may exist in Portugal. This comes from the positive and significant coefficient of the number of doctors.
Accordingly, the increase of one doctor results in an increase of cesarean rate by the factor equal to the estimated coefficient 0,007322. The induced demand may come from the doctors’ competition and target-income that they define and not from the number of available beds since the estimated coefficients are not statistical significant.››
E ainda:
‹‹This result is particular relevant for policy makers*, who may wish to control the number of cesareans, and it is interesting to doctors to know that competition between them may be causing a bias in their preferences about cesareans. Women should also be aware of this bias when making their decisions about the delivery form of the newborn. ››
É muito difícil, se não impossível, relacionar o número de especialistas com as causas do número de cesarianas. Em última análise, seria o mesmo que afirmar que “o número de ferreiros está relacionado com o número de ferraduras colocadas”, o que, sendo hipoteticamente certo, nada diz sobre a necessidade das ferraduras.
E no caso das cesarianas, essa necessidade depende apenas de um factor: a vontade expressa das mulheres.
Muito pior é atribuir o elevado número de cesarianas a uma motivação venal – o lucro. As autoras afirmam que ‹‹é possível›› o facto subjacente ser a procura do lucro (target-income), mas esta afirmação é completamente especulativa, não tem carácter científico e difama os obstetras.
O estudo destas cientistas continua a evoluir e eu julgo ter dado um contributo positivo, chamando a atenção para aspectos relevantes do problema. Com boas ideias, sem difamação, sem hipérboles e sem processos de intenção.
*Policy makers do not perform cesareans.

32 comentários:

zazie disse...

Tadinhos.

Vão lá picar o ponto e piram-se para os consultórios.

Outros nem isso. Ainda no outro dia caçaram uns tantos que tinham quem picasse o ponto por eles.

Apanhar um médico num hospital é fenómeno mais difícil que dar com um lince na Malcata.

Anónimo disse...

Se a investigaçao em questao nao fiz distinçao do nº de cessarianas feitas em hospitais privados e na sanidade pública deixa algum que outro cravo sem por na ferradura...(engraçada metáfora do fazedor-destes-ultimos-posts).
Neste artigo esclarecedor (sem ir aos dados do NHS prot) parte de parecidas e comparaveis estadísticas. E aclara certos porqués dos aumentos de cessarianas em hospitais privados. O RB desta vez orientou bem a sua búxula.

http://www.infosalus.com/actualidad/noticia-numero-partos-cesarea-espana-aumenta-casi-10-ultimos-10-anos-20131219145517.html

Anónimo disse...

Convém esclarecer o leitor que este senhor blogger Dr Joaquim Couto, é médico e proprietário de uma clínica privada em S.Tirso...

Anónimo disse...

Joachim, desculpe lá contraria-lo, mas em Portugal no SNS, fazem tudo para evitar a cesariana. Acredite no que lhe estou a dizer. E o problema é que paga muitas vezes o justo pelo pecador, quer dizer, quem de facto precisa por quem não precisa.
.
No NHS não sei, mas no SNS, meu caro, a regra é dificultar ao máximo a cesariana.
.
Eu compreendo as restrições que tem de haver. A nível macro. Mas toda e qualquer decisão sobre questões individuais só pode ser dada, em plena liberdade, pelos médicos... digam o que disserem os gestores.
.
Rb

Anónimo disse...

Joaquim, dá gosto vê-lo a citar estudos que citam outros estudos et al. É uma pena que noutros assuntos não cite estudos e se limite a diletar... Acho que está a ficar refém da sua própria falta de credibilidade... -- JRF

Anónimo disse...

Para actualização do senhor Dr Joaquim Couto, por que não ler as ultimas recomendações da ACOG

https://www.acog.org/Resources_And_Publications/Committee_Opinions/Committee_on_Obstetric_Practice/Cesarean_Delivery_on_Maternal_Request

zazie disse...

Cesarean delivery on maternal request particularly is not recommended for women desiring several children, given that the risks of placenta previa, placenta accreta, and gravid hysterectomy increase with each cesarean delivery.

Claro. O tosco chamou-me burra e burro é ele.

Isto é do mais elementar senso comum.
Não se anda a abrir a barriga todos os anos.

Sei de caso em que houve mesmo perigo por esse motivo. Porque engravidou num espaço de intervalo muito curto e já tinha uma data de filhos.

Para entender isto não é preciso ser hippie nem viver nos anos 60. É preciso não ser estrangeirado armado em "amaricana rica" a inventar um SNS que não existe.

Anónimo disse...

Zazie,

Ei não lhe chamei burra, para não lhe dar o prazer de retribuir os insultos que, sem qualquer motivo pessoal, aqui me deixa regularmente. E que vão de tosco a imbecil.

Ligo-lhes tanto como aos insultos que vão deixando às minhas filhas. São pessoas que não me conhecem.

Relativamente ao assunto em apreço:

É um facto inquestionável que a cesareana a pedido da mãe é aceite em quase todo o mundo desenvolvido. Não vou discutir este facto, nem consigo nem com as investigadoras da UA. É uma realidade que não está em discussão a não ser em mentes alucinadas.

Quer a cesareana quer o parto vaginal têm indicações e contraindivações, não as vou discutir consigo.

Relativamente à afirmação de que os obstetras fazem cesareanas para a ganhunça, considero-a desprezível e imprópria de gente com formação universitária.

Há pessoas corruptas em todas as profissões, em todas as religiões e em todos os partidos políticos. Mas não há mais médicos corruptos do que nas outras actividades.

Joaquim

Anónimo disse...

Ainda:

Em Portugal, o MS tem afirmado (julgo que pela boca da ex-ministra Ana Jorge) que as parturientes devem poder fazer a mesma escolha. Esta tornou-se, aliás, uma prática corrente e que reúne um certo consenso entre nós. Se uma parturiente do SNS pedir uma cesariana, os obstetras acomodam essa vontade.
Porquê? Porque os riscos da cesariana e do parto vaginal, neste momento, são idênticos. Há uma vasta literatura sobre este assunto, embora, como sempre em ciência, seja fácil encontrar opiniões divergentes.
A afirmação das investigadoras Aida Isabel Tavares e Tânia Rocha de que: ‹‹A saúde de mães e recém-nascidos pode ser afetada pela realização de cesarianas desnecessárias›› carece de fundamento médico. Uma vez que a mãe pode escolher e a cesariana e o parto vaginal são métodos alternativos, uma cesariana nunca pode ser desnecessária.

Joaquim

PS: É sempre possível encontrar estudos empíricos a justificar o que quisermos. Foi isso que eu comecei por afirmar.

Agora a realidade é que nos países desenvolvidos, é reconhecido o direito da mãe escolher entre a cesareana e o parto vaginal. Pk? Porque os riscos são similares!!!

Joaquim

zazie disse...

Admito e peço desculpa pelo excesso de tratamento.

Quanto ao resto, não.

Ou v. sabe explicar uma coisa a qualquer pessoa, ou então não pode defender que qualquer pessoa pode "pedir" e "optar por qualquer método.

2- Não chamei corrupto a ninguém porque corrupção é receber dinheiro a troco de favores.

Bladarem-se é outra coisa

zazie disse...

V. trata sempre tudo em termos de mercado.

É mentira que o SNS funcione como mercado.

E é mentira que a medicina seja também um mercado ao gosto de cada um.

Pode ser no seu ramo que é mais estético que outra coisa.

mas não é em muitos outros.
O facto de v. ser esteticista de varizes não faz de si um especialsita em obstretícia.

tudo o que veio defender teve mero cunho corporativista.

zazie disse...

Aliás, eu sei isto por conhecimento próximo de médico ginecologista.

Se falasse directamente com ele (tendo em conta cargos que o mesmo tem e nome) aposto que baixava a bolinha.

Eu estou é a repetir informação trocada porque conheci, de facto, esses casos de risco de vida.

zazie disse...

Oseu argumento lógico também é a dar para o da batata, mas enfim.

o argumento dela pode estar errado porque nestas coisas de estatísticas é como em tudo, não há lei que se prove porque existem mil e uma maneiras de querer inferir as coisas.

Agora a questão é que uma cesariana não é sempre necessária. a sua lógica é parva.

Se é método alternativo, é-o em função de outros factores que não fazem parte da escolha de catálogo da grávida.

Fazem parte de necessidades de cariz médico.

Se pode nascer de mais maneiras, com epidural ou sem epidural e de cesariana, esta pode ser desnecessária se for escolhida apenas para evitar tempo, ou dor, ou mera chatice.

Podia dizer que parto natural também é sempre necessário- tem a memsísima lógica- porque v. inventou uma falácia que é a função de nascer.

Para nascer vale tudo. Se for em local onde nem médico haja, nasce como a natureza permite.

isto não são escolhas, são situações. Tanto vale natural como cesariana.

Só que esta alternativa é humanamente falsa pois para além da finalidade de fazer nascer também existe a preocupação com a saúde da mãe.

Portanto, a lógica delas está certa, o resultado é que pode ser contrariado.

Já a sua lógica está demagógica, o resultado é sempre zero.

marina disse...

ainda não percebi onde o Joaquim quer chegar. uma mulher que podendo ter um filho como se tem desde que há femeas mamiferas peça para ser operada com anestesia geral pós operatório risco de infecções ainda é mais doida que aquelas que os querem ter na banheira em casa :) só pode. e os médicos não podem faer a vontade a avariados da cabeça ,não é ?

zazie disse...

Os médicos são avariados da cabeça, nas calmas, se entrar carcanhol.

Anónimo disse...

Access to Certified Nurse-Midwives Reduces Cesarean Section Rates Among Massachusetts Hospitals

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1526952308002110

Midwife-led continuity models versus other models of care for childbearing women

http://summaries.cochrane.org/CD004667/midwife-led-continuity-models-versus-other-models-of-care-for-childbearing-women

Josand

Anónimo disse...

Joaquim! Não sei o que está para aí a dizer, mas na minha família próxima, não vou dizer nomes, nasceu um bebé. Foi em hospital privado da moda aqui da zona, por marcação, antes do tempo total de gestação, seguro de saúde em riste e siga a marinha. Uma palhaçada, na minha modesta opinião.
E sabe o que uma familiar médica ginecologista comentou? — Acham que elas querem ir a meio da noite assistir a um parto como eu ia? Agora marcam para quando lhes dá jeito, querem lá saber se acabou o tempo, se vai haver contracções... querem é facturar. Adivinhe lá com que tipo de parto a coisa se deu... É assim com toda a gente? Não faço ideia. -- JRF

Anónimo disse...

A saúde como negócio é um desastre. E tudo o que disser em contrário vai contra a natureza humana!... E agora então, cuidado com os animais! -- JRF

Anónimo disse...

Por falar nisso, os seus amigos lá da seita dizem praticamente que a Apple é uma empresa anti-americana (bold meu)!
"Tim Cook, like every other American, is entitled to his own political views and to be an activist of any legal sort he likes on his own time," said Amy Ridenour, chairman of the National Center for Public Policy Research. "And if Tim Cook, private citizen, does not care that over 95 percent of all climate models have over-forecast the extent of predicted global warming, and wishes to use those faulty models to lobby for government policies that raise prices, kill jobs and retard economic growth and extended lifespans in the Third World, he has a right to lobby as he likes. But as the CEO of a publicly-held corporation, Tim Cook has a responsibility to, consistent with the law, to make money for his investors. If he'd rather be CEO of the Sierra Club or Greenpeace, he should apply."
Eu cá levo sempre a sério uma nota de imprensa que utiliza Comic Sans no cabeçalho! Levo mesmo! -- JRF

Anónimo disse...

O bold não apareceu! Mas é isto:
"Tim Cook has a responsibility to, consistent with the law, to make money for his investors".
É ou não é um óptimo princípio de responsabilidade para se aplicar na saúde?
Porque é que o anti-americano do Tim Cook insiste em funcionalidades para cegos no iPhone? Essa merda não dá dinheiro Joaquim! -- JRF

BLUESMILE disse...

Joaquim:
Totalmente de acordo com o que o seu post.è insultuoso afirmar que que as opções por cesariana tenham a ver com "ganhunça" dos médicos. é insultuoso. além disso estas afirmações têm efeitos perversos - a tendência no SNS é para reduzir drasticamente cesarianas mesmo situações de risco elevado!Também para os RN!

"Para nascer vale tudo. Se for em local onde nem médico haja, nasce como a natureza permite."
Resta dizer que por alguma coisa a mortalidade materna e neonatal baixou em portugal nos últimos anos.
Se se trata de voltar a parir como bichos porque isso fica mais barato, então o melhor é parir em casa ou em banheiras ou no meio do mato, é tudo igual.

marina disse...

JRF , essa história que conta é interessante no que respeita a tempos. sabe que antecipar o parto tem consequencias ? pois é , no outro dia fiquei a saber que seja parto natural seja cesariana quando o parto ocorre no dia que o bebe quer sair :) o calostro ( primeiro leite ) tem uma dada composição ( muitas bactérias para a flora intestinal do bebe e tipo vacina ) e que se o parto for provocado o calostro é agua de lavar pratos .. e assim são paridos bébés clientes das farmaceuticas , agendando partos :)

Anónimo disse...

É dizer isso às médicas... Não houve ninguém na família que tivesse concordado com a situação, mas que se pode fazer?
Também conheço uns que anteciparam um parto para o filho nascer no mesmo dia do outro. Não foi o meu caso, que tenho dois no mesmo dia... Mas fica já a saber Marina que sou considerado um processador de precisão :) . -- JRF

BLUESMILE disse...

Tretas, se soubessem a composição química do leite materno, com a carga de antibióticos e poluentes que por aí andam deixavam-se de pruridos "naturalistas".

zazie disse...

Se for sintetizado do de vaca, como elas andam a quatro, já não apanhar chuva ácida

ehehehehehe

Anónimo disse...

Hehehe... se calhar as mulheres também vão evoluir para terem as tetas em baixo... por isso tenho-as visto tão caídas!...
(Mas infelizmente é verdade o que diz a comentadeira... nos EUA é bem capaz de ainda ter DDT e isso anda há desde os 70 proibido por lá, exportam-no para a Índia e China...) -- JRF

Anónimo disse...

Por falar em DDT... o artista anónimo aqui há uns tempos linkou para o Junk Science que os fanáticos anti-ciência gostam muito... o DDT, junto com o aquecimento global é uma das guerras deles. Os porcos gostam da porcaria toda por igual. -- JRF

zazie disse...

Gostam de DDT?

Deve ser para matarem as lêndeas

ehehehehe

Anónimo disse...

"Ligo-lhes tanto como aos insultos que vão deixando às minhas filhas. São pessoas que não me conhecem."

jaquim, se levou a mal ter chamado as suas filhas de mulas, peco desculpa, era na brincadeira pa..um sorriso ok?

Elaites

Anónimo disse...

Adoram! Têm títulos tão criativos como isto (tira-se DDT coloca-se outra coisa):
The United Nations’ Scientific Fraud against DDT
Greens lie, Africans die
Re-booting DDT
DDT, the banned lifesaver
Etc, etc.
São estes nut jobs a base de toda a conversa da seita fanática anti-ciência, que depois dá origem aos posts do Joaquim. -- JRF

Joker Alhinho disse...

A conversa está a ficar de doidos.
O melhor é pinocarem todos só com camisinha. Ou enganarem-se no buraquinho...
...quinho, ou cão, não sei.

Anónimo disse...

"Muito pior é atribuir o elevado número de cesarianas a uma motivação venal – o lucro. As autoras afirmam que ‹‹é possível›› o facto subjacente ser a procura do lucro (target-income), mas esta afirmação é completamente especulativa"

Só não vê quem não quer!
no privado é uma verdade clarinha. aliás, como é possível que comentários do género "vai meter pela a ADSE e não pelo seguro? não me faça isso que com o seguro já ganho pouco e com a ADSE nem se fala..."; ou "só vou ao hospital se for para fazer pelo menos 5 partos, senão nem me compensa".

Isto foi dito pelo mesmo médico a uma familiar minha.
Este médico não está a procurar o lucro? não está a ser corrupto? não vou generalizar, mas é bem sabido que no privado o elevado número de cesarianas se deve a esse motivo e não vale a pena negar.