14 abril 2014

o gene do igualitarismo


O livro do William Tucker que tenho vindo a citar, “Marriage and Civilization”, defende a tese de que a monogamia era a forma predominante de organização social e reprodutiva entre os caçadores recolectores.
Tratar-se-ia de uma “monogamia de recursos”, motivada pela impossibilidade de cada homem poder suportar mais do que uma mulher, por oposição à chamada monogamia normativa das sociedades afluentes.
Segundo William Tucker, a monogamia dos caçadores recolectores, libertando energias da competição sexual, teria permitido todo o desenvolvimento donde emergiu a civilização.
É uma hipótese interessante, suportada por alguns argumentos antropológicos que justificam a leitura do livro, e que, a ser verdadeira, transformaria as sociedades de caçadores recolectores nas mais igualitárias da existência do Homo Sapiens. Ganha assim credibilidade a hipótese do gene igualitarista a que se referiu o Carlos Guimarães Pinto, neste post.
Confesso que nunca imaginei os nossos “avós” aos pares, em famílias monogâmicas agrupadas em bandos. Olhando para os outros primatas, sempre pensei que imperasse a lei do mais forte e que daí resultasse uma desigualdade no acesso às fêmeas que fizesse toda a diferença.
William Tucker refere-se à organização reprodutiva dos outros primatas, fundamentalmente poligâmicos, mas argumenta que é por isso mesmo que nunca “passaram da cêpa torta”.
Julgo que o debate vai continuar.

26 comentários:

mujahedin مجاهدين disse...

motivada pela impossibilidade de cada homem poder suportar mais do que uma mulher

Ou de cada mulher sustentar mais de um homem. Não sei se estará ao corrente, mas "tratar de casa" é coisa para full-time...
E a primeira regra de sobrevivência é procurar abrigo antes seja do que for.

Não percebo é para que é que são estes livros da treta. Como se isso não fosse intuição clara como a água. Devem ser para drs. susceptíveis. Ou seja, nós devemos ser monogâmicos porque isso é a base da civilização e porque o diz um psico-prof gringo. Por acaso - só por acaso - a história dos últimos, vá, 2000 anos, diz o mesmo. Por acaso - só por acaso - é coisa que a maior parte das pessoas faz instintivamente, por mais que a televisão e a fanfarronice de alguns afirme o contrário.

É evidente que a monogamia é a melhor, senão única, forma de relação estável. Os idiotas que vêm com a poligamia dos muçulmanos, não sabem que mesmo entre eles é coisa mal vista, e fonte de incontáveis problemas no seio familiar: há rivalidade entre as próprias esposas e entre elas e o resto das mulheres da família - nomeadamente irmãs e mãe do homem - que tendem a viver na mesma casa. É uma excepção que eles (alguns) permitem.

Em todo o caso, não vejo como se possa negar às pessoas o casamento poligâmico. Com o casamento da paneleiragem, dificilmente se pode argumentar contra este.

Sempre vou gostar de ver aí os libertinhas todos, os autênticos democratas de crina ao vento - ou às ventas -, defensores de tudo quanto jeitinho nenhum tenha em nome da libardade de dar à língua e a troco da refeição do próximo, a insurgirem-se contra o casamento "poliamoroso", depois de terem com tanto afinco garantido o privilégio fiscal para quem gosta de levar no traseiro.

zazie disse...

Na volta o seu problema foi olhar para os primatas errados pensando que eram os seus avós

":OP

zazie disse...

Agora o mujah andou a ler os Flinstones


Cientóino é assim- acaba sempre na Disneylandia.

Anónimo disse...

Olha se o Joaquim não pensava que imperasse a lei do mais forte… ainda hoje pensa isso, nos mais variados domínios, o que derrama por aqui a cada passo… -- JRF

Anónimo disse...

Joaquim! Acabei de reparar que outro dos seus pares comentou um dos posts climáticos com experiências científicas de elevado valor… huh… científico…
Só me admira como é que o Joaquim, José, bronco, blogues do Quim, Fox News e demais think tanks libertários não publicam uma única tese ou teoria numa revista científica. É tudo tão simples e os cientistas climáticos são todos tão idiotas… dir-se-ia que teoricamente seria possível, ou não? Na prática é o que se vê. Indigência intelectual. -- JRF

Anónimo disse...

E quero-lhe dizer outra coisa que não só prova a sua própria indigência intelectual, como que vai apenas e só direitinho às cartilhas de desinformação oficiais: como bom anti-ciência que é, agarra-se a um prémio nobel como gato a bofe para parecer o inverso, outro físico… e o que diz Ivar Giaever sobre os seus próprios conhecimentos em matéria climática?
""I am not really terribly interested in global warming. Like most physicists I don't think much about it. But in 2008 I was in a panel here about global warming and I had to learn something about it. And I spent a day or so - half a day maybe on Google, and I was horrified by what I learned." -- JRF

mujahedin مجاهدين disse...

Quais flintstones?

Num percebo...


mujahedin مجاهدين disse...

Essa do cientóino era para moi?!

Se é, acho que não leu bem...

Anónimo disse...

Caro JRF,

Qual é a sua área de formação?
Eu sou médico e tenho muitos artigos publicados, alguns em revistas internacionais de topo, com dezenas de citações. Algumas em livros :-)

Não sei se se passa o mesmo consigo na sua área, mas presumo que sim pelo à vontade com que fala de publicações científicas.

Relativamente aos pontos que tenho referido há alguns que são incontroversos:

Não há aquecimento do planeta há 17 anos. Mesmo que eu fosse climatologista, não poderia publicar este dado, porque está por demais demonstrado.

Se eu afirmar que a Terra é redonda, não faz sentido solicitar referências. Demonstra ignorância.

O próprio IPCC confirma este dado. Só há divergência num aspecto:

Os aquecimentistas deizem que é uma pausa e os cepticos dizem que é uma demonstração de que não há aquecimento.

Capice?

Joaquim

mujahedin مجاهدين disse...

Essa é boa ó susceptível dr: não se poder publicar um facto porque está demasiado demonstrado...

E a de pedir referências sobre a terra ser redonda também...

Eu ouvi dizer que nem é bem redonda... é mais como uma pêra. Dizem eles...

Eu cá não sei. Nunca a medi...

V. diz que é redonda. Eles dizem que é pêra... E agora, em que ficamos? É ignorância pedir referências, ou não?

mujahedin مجاهدين disse...

Mas espere. No fundo, V. é teórico das conspirações, não susceptível dr.?

V. acha, realmente, que há uma conspiração de pessoas - políticos, cientistas, etc - que quer fazer o mundo acreditar que está a aquecer.

Eu não tenho nada contra repare. Eu até gostava era de ver esse cepticismo todo aplicado a outras coisas...

Anónimo disse...

Caro muja,

Como tenho dito, os portugueses têm uma tendência para interpretar de forma literal.

Joaquim

Anónimo disse...

Ainda,

Repare o que acontece quando a maior parte das revistas médica é propriedade dos laboratórios:

http://portugalcontemporaneo.blogspot.pt/2014/04/inutil.html

Joaquim

mujahedin مجاهدين disse...

Então mas essa também era das conspirações.

Havia aí uns malucos que diziam que não havia gripe nenhuma. Que era tudo uma conspiração para as farmacêuticas ganharem (mais) pipas de massa.

mujahedin مجاهدين disse...

Aliás, até há quem diga que não existe vírus da imunodeficiência (VIH).

Que nunca ninguém descobriu nenhum. Pelo menos, que nunca ninguém lhe tirou uma fotografia in the wild...

Aí está uma área onde nos poderia esclarecer.

Há vírus ou não há vírus? Se há, que é dele?

marina disse...

o senso comum dos velhotes e velhotas que já não entram na competição é muito fixe , Joaquim :) a minha avó já há muito tempo dizia-me que se tomasse remédios para gripe ela durava 6 dias , se não tomasse , durava 7 :)

zazie disse...

ahahaha

Os Flinstones em que tratar da casa era trabalho em fulltime

AHAHAHAHHAHAHAH

zazie disse...

O Birgolino só tem 2 items para comparação de tudo o que se passa no mundo:

A pré-história com o "homo sapiens" e os arranha-céus de Nova Iorque

ehehehehje

O meu irmão, em puto, também tinha a mania de dizer a propósito e despropósito que na América a tal e coisa...

E eu inventei esse bordão que ainda hoje nos faz rir: "nos aranhas-céus de Nova Iorque não é assim"

ahahahaha
Ele ficava fulo e toda a gente se ria.

Dá para o aplicar oa Birgolino, também.

zazie disse...

Ainda hoje, quando começa a mandar bitaites de "lá fora não é assim" toda a gente acrescenta logo" pois, nos arranha-céus de Nova Iorque a coisa é muito diferente

":O)))))))))))))

mujahedin مجاهدين disse...

Os Flinstones em que tratar da casa era trabalho em fulltime

E não é?!

zazie disse...

eheheh

Sim, com todos aqueles electrodomésticos não devia ser apenas coisas de limpar o pó à caverna

":OP

Anónimo disse...

É bom saber que é médico… aqui ninguém sabia. O que ainda há quem não saiba é que é um médico anti-ciência e ateu. Ou seja, acredita em quê? É um mistério.
Mas, como médico com artigos publicados, faça lá um fácil exercício mental: imagine a sua área tratada, como trata a climatologia. Imagine que na sua área, os médicos tinham de lidar com auto-proclamados cépticos que de medicina percebem zero. O prémio nobel Ivar Giaever foi ao Google umas horas e diz-lhe que isso das varizes não é nada assim!… E se calhar não é mesmo! -- JRF

Anónimo disse...

Não sei de onde tirou os 17 anos, mas não acha bizarro que há relativamente pouco tempo os climatologistas eram criticados por se estarem a referir a poucas décadas, um intervalo demasiado curto, mas agora se forem 17 anos para si ou 10 para o sinistro Cato, já é bom?
Sobre as razões do aquecimento ter abrandado (além do adormecimento do Sol), mas é um site do governo (NOAA) — indique-me outro se este não é idóneo.
Ou então este, que confirma que o hockey stick estava certo, o cabo era curto. -- JRF

Anónimo disse...

Joaquim! Boas notícias! A cobertura das alterações climáticas da Fox News é agora 28% exacta, uma grande diferença dos 7% habituais! Podemos então contar com posts seus um bocadinho melhores, correcto? -- JRF

Anónimo disse...

Diz no The Guardian! -- JRF

Pedro Sá disse...

Este Tucker é mais um louco que inventa especulações para arranjar supostos argumentos biológicos, psicológicos e sociológicos para fundamentar uma vontade de imposição a todos da sua mundividência.