17 outubro 2014

o monstro

O monstro continua a almoçar - artigo de Rui Ramos no Observador

Cometário: Rui Ramos está cheio de razão, como sempre. Só não entendo como consegue conciliar estes dois parágrafos: 

Toda a gente arranjou maneira de se zangar com o Orçamento. A acusação mais curiosa foi esta: afinal, depois de tanta “austeridade” e de tanto “neo-liberalismo”, nada mudou. Quando muito, algumas tendências estão mais moderadas. Falta de zelo? Irresponsabilidade, como insinuam aqueles que agora se lembram de que “vamos para a parede”? Não. A razão é mais simples: “nada mudou”, porque nada, até agora, teve de mudar.
...
Mas tudo isto quer dizer uma coisa: as mudanças que não fizemos até agora por opção, vão um dia acontecer por necessidade. Só que talvez já não sejam reformas, graduais e planeadas, mas revoluções, súbitas e caóticas.

Será responsável deixar arrastar a situação até ao ponto das "revoluções, súbitas e caóticas"? Rui Ramos é historiador e talvez saiba que a política é assim mesmo. Eu sou médico, tento sempre evitar que a situação dos meus doentes se deteriore, porque é muito mais fácil prevenir do que remediar. De facto, muitas catástrofes não têm remédio.

8 comentários:

Anónimo disse...

Uma solteirona descobre que uma amiga ficou grávida só com uma oração que rezou na igreja de uma aldeia próxima.Uns dias depois, a solteirona foi a essa aldeia e disse para o Padre:
- Bom dia Padre.
- Bom dia minha filha. Em que posso ajudar?
- Sabe Padre, soube que uma amiga minha veio aqui e ficou grávida só com uma Avé Maria.
- Não minha filha, foi com um Padre Nosso, mas já o transferimos!»

Anónimo disse...

Olha Jaquim, mais um post para a tua serie "Latinidade". De nada.

http://metro.co.uk/2014/10/18/paramedics-dumped-dead-body-next-to-bins-because-their-shift-had-ended-4910589/?ito=facebook

Cumprimentos

Elaites

Neyhlup Josand disse...

Muito boa essa Elaites :)

Neyhlup Josand disse...

Eu sei que o Joaquim não me liga :p

Não sei se a notícia conta a história toda mas...


"Papa Francisco afasta cardeal por ser contra direitos dos homossexuais"
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=4188497

Começam as purgas contra os que não defendem as ideias fugazes da actualidade...

zazie disse...

Se isso é verdade, confirma-se o pior acerca deste Papa.

Neyhlup Josand disse...

O PA também não me liga mas...

Penso que era o mesmo PA que dizia que o "católico" não discutia na rua mas sim em casa, em privado...
pois bem...

"Francis insisted in the name of transparency that the full document—including the paragraphs that failed to pass—be published along with the voting tally. The document will serve as the basis for future debate leading up to another meeting of bishops next October."

De qualquer forma parece que os Católicos "progressistas " (para o abismo) voltam à estaca zero:



"The revised paragraph had said “people with homosexual tendencies must be welcomed with respect and delicacy.” But the paragraph failed to reach the two-thirds majority needed to pass."
(...)
"Two other paragraphs concerning the other hot-button issue at the synod—whether divorced and civilly remarried Catholics can receive Communion—also failed to pass"

A fonte não é muito credível nestas matérias mas...

"Bishops Reject Shift in Tone for Gay, Divorced Catholics"

http://online.wsj.com/articles/bishops-scrap-welcome-to-gay-catholics-in-sign-of-split-1413658267

zazie disse...

Fonte aqui:

http://press.vatican.va/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2014/10/16/0763/03042.html

zazie disse...

5. Nous avons redit notre respect et notre accueil aux personnes homosexuelles et avons dénoncé les discriminations injustes et parfois violentes qu’elles ont subies et subissent encore parfois, y compris dans l’Église, hélas ! Mais cela ne signifie pas que l’Église doive légitimer les pratiques homosexuelles et encore moins reconnaître, comme le font certains États, un soi-disant « mariage » homosexuel. Au contraire, nous dénonçons toutes les manœuvres de certaines organisations internationales visant à imposer, par voie de chantage financier, aux pays pauvres des législations instituant un soi-disant « mariage » homosexuel.

Conclusão: much ado about nothing