16 setembro 2014

Os outros é que são imperialistas


77 comentários:

Ricciardi disse...

Pelo andar da carruagem os escoceses podem ser os próximos.
.
A pressão sobre eles está a ser gigantesca. Mas está dentro daquilo que eu julgo que deve ser entre pessoas de bem.
.
A inglaterra procedeu com bom senso. Não gosta que a escocia possa sair mas permitiu o referendo.
.
E pasme-se: não meteu lá as tropas nem financiou integracionistas para tomar à força bruta aquilo que pode ser resolvido pacificamente.
.
Botem os olhinhos nestes exemplos.
.
Rb

Anónimo disse...

Entao...

vamos supor que amanha sao descobertas praticas de escravatura na Mauritania, toleradas / incentividas pelo Estado.

Varios Estados europeus protestam e impoem sancoes comerciais á Mauritania, enquanto tais praticas nao forem abolidas.

CN protesta, diz que os Estados europeus nao tem legimitidade para criticar - porque no séc. XV tambem tinham escravatura - as sancoes sao injustas e deve ficar tudo como está.

Percebe o absurdo da sua argumentacao?

Joao

Anónimo disse...

O CN não desiste. Tá aqui tá a pedir asilo ao Putin tal como o gringo que foi pedir asilo na Koreia Norte. Parece que já se arrependeu.

simon disse...

A malta é engraçada, argumenta com o cavalheiro inglês, que fez guerra a todo o mundo, até à Índia e Irlanda do Norte, por hoje entrar em diálogo e chantagem, compreensivo do nazista de Kiev, que mata e queima e esfola, intolerante para com a liberdade a leste do país por lá morar o Putin, maior senhor diplomata .

Neyhlup Josand disse...

De Acordo com o CN com a não intervenção na Ucrânia, no entanto de acordo com a intervenção na Palestina e no território controlado pelo EI,depois da borrada que foi apoiar os opositores de Assad,para ver se há minimização de danos...

Cfe disse...

Hellooo....

2014...

Cfe disse...

Faz lembrar uns tarados, no Brasil, que defendem o direito ao infanticídio dos filhos dos indígenas pelos próprios porque "faz parte da cultura deles".

zazie disse...

Tenho pó a esta merda.

É coisa de entranhas. Não suporto independentismos cretinos.

zazie disse...

Ninguém normal, com gerações de vida fazendo aprte de um país, onde não existem agressões nem guerras contra localidades, pode querer ser "independente".

Isso é loucura de fanáticos piores que todos os fascismos do mundo.

E fazem a cabeça às pessoas apelando-lhes mesmo aos instintos mais toscos e primários de xenofobia com os vizinhos.

zazie disse...

Depois vão inteegrar-se entre outros que nem conhecem de parte alguma.

E vai haver gente a sustentar a tara.

zazie disse...

É como a independência da Madeira ou dos Açores.

Patranha- anda-se uns kms e já os gajos não se suportam uns aos outros.

Nos Açores de ilha para ilha odeiam-se reciprocamente. Aquilo só é região por pertencer a Portugal.

zazie disse...

O CN apoia isto porque ideologia oblige.

E essa obrigação ideológica, que até nem deve ter nada a ver com estas cretinices independentistas, é outra coisa.

É a prova, provada, que liberalismo e maçonaria sempre andaram juntos a destruir nacionalidades.

o dito internacionalismo só podia interessar a seitas e a pencudos.

zazie disse...

Poruqe é que todos os maçons são independentistas?

Porque é que todos os maçons tugas também sempre defenderam a "união ibérica".

Porque é que o liberalismo é independentista- porque os teóricos eram pencudos e pencudo sempre precisou de ocupar terra por ADN.

Ricciardi disse...

E lá tinham que vir os pencudos para justificar que existem pessoas além dos pencudos que tambem querem poder ser uma patria nação.
.
Tu, oh Zazie, se tivesses vivido nos tempos do Afonso rei estavas tramada. Depois de tantos anos a viver com os castelhanos e leões para que que seria, na tua visão, necessário lutarmos pela independencia?
.
Ahh connosco é difrente. Para nós está bem, para os outros é mania insuportavelmente esquisita de se armarem aos cágados.
.
Anyway the wind blows.
.
Rb

zazie disse...

Ja´te expliquei o que são migrações de povos e formação de condados e países.

Passados séculos, no presente histórico, tudo isso é mentira.

Os pencudos é mais que óbvio.

A quem mais poderia interessar a ideia de se ficar com pedaços de países por secessão?

A eles. A eles é aos maçons porque o internacionalismo tem estas raízes.

Podes é concordar que teoricamente foi assim mas que só entrou penca por acaso.

Ok. Foi sempre por mero acaso. Calhou de serem todos judeus mas podiam não ter sido.

":OP

Anónimo disse...

"Isso é loucura de fanáticos piores que todos os fascismos do mundo"

Mas os nacionalistas escoceses são mesmo fanáticos. Aquilo para eles é uma religião. Não se atura tanto fanatismo com a bandeira, com a Escócia, com o ódio aos ingleses. Não é assim por toda a Escócia, mas há sítios que é por demais.

Ricciardi disse...

Optimo. os escoceses podem dizer NO.
.
Se fosse uma aspiração provocada por lideres manhosos, ou aproveitadores de momentum economico desvaforavel etc, eu seria o primeiro a não achar piada.
.
Mas nos casos da escocia e catalunha é aspiração bem antiga.
.
Não se trata de oportunismo. Trata-se de um povo maduro que pode e deve escolher o que é melhor para eles, independentemente de ser realmente melhor ou não. Eles que se amanhem com as suas decisões.
.
Não acho que uma independencia se faça de supeton. Deve passar muitos anos para ver se realmente é coisa séria.
.
A Inglaterra procede bem. Se quiserem saem com as consequencias inerentes. Mas podem sair.
.
Na volta ganha o NO e tudo de repente fica claro e muito mais estavel.
.
Eu acho que se Portugal tivesse feito assim nas colonias na volta ainda tinhamos boa parte delas. Provavelmente algumas colonias optariam por permanecer com Portugal, como me parece que a Escocia vai continuar no reino Unido. Mas não. Fomos broncos. Produndamente broncos. Principalmente tendo em consideração que o regime podia (e sabia) fazer uma campanha super-hiper-mega fantástica e os opositores não.
.
O Estado Novo tinha uma grande e eficaz forma de passar ideias. Isso podia ter sido aproveitado para manter as colonias. Mas não. Fomos broncos.
.
Rb

zazie disse...

Pois fomos.

Fomos broncos em não ter passado países que construímos aos comunistas internacionais.

Na volta até devíamos ter passado tudo tal como encontrámos.

zazie disse...

Já chateia essa merda de paleio vinda de um sionista português.

Parece parvo, o rapaz.

":OP

zazie disse...

A Escócia, foi descoberta por quem?

Foi colonizada por quem, ó pascácio?

V.s são ignorantes e fazem luxo nisso.

Conta lá as memórias dos escoceses que andaram de canga e foram escravizados pelos "ingleses".

Na volta até devem existir escoceses na Guiné, foram levados para lá pelos pencudos que traficavam escravos...

Neyhlup Josand disse...

Olá Rb.

A acreditar no Marcelo Caetano, julgo que no "Depoimento", a opção de perguntar à população residente em Angola, na altura Portugueses, nem se colocaria uma vez que a ONU nem sequer a aceitaria, apenas estando esta disposta a ouvir a palavra independência.

Por outro lado, nessa altura( mais uma vez a crer nas palavras de Caetano) a "guerra de propaganda" estava perdida internamente e tanto do lado dos mais integracionistas como do lado dos que queriam entregar tudo, não houve quem não o tivesse abandonado ou apoiado numa solução intermédia.

Pergunto-me como é que alguém com tão recta intenção como Caetano ficou tão isolado... Ou foram ingénuos e como tal politicamente inaptos( Rui Mateus descreve muitas vezes Spínola como inapto politicamente)

Acredito que um dia os ventos da História mostrarão(ainda mais) que a opção de independência naquela altura foi a pior opção possível para todos, mais do que para os Portugueses da metrópole, para os de Angola.

Mas esse tempo já lá vai e só nos resta perceber melhor o que se passou com a distância emocional que 38 anos já dão(ainda poucos talvez?) e perceber quem fez o quê e com que intenções, para não repetirmos erros e aproveitarmos o que de melhor se fazia, na gíria moderna, benchmarking :)

O Mujahedin está a reunir no http://ultramar.github.io/ um arquivo já respeitável e conjugando-o com o Portadaloja do José e outras coisas mais avulso, se vai percebendo que o Modelo Português podia ser isto e aquilo, mas funcionou bem e foi pena foi não ter criado doutrina. Talvez tenha sido esse o maior erro, o de não ter criado doutrina e uma propaganda pouco eficaz pois se o fosse...

zazie disse...

Por acaso, nesse aspecto estou mais com o José do que com o Mujah.

Preto é preto- é tosco. Não fizeram nada em 38 anos nem fazem nada em parte alguma.

Não havia suficientes brancos para aquilo ficar misto.

Tinha de ser entregue e o resto, era como foi- amanhavam-se à catanada.

A vantagem era ter havido tempo para tirar de lá os brancos, com tempo.

E o não ter havido deve-se aos lateiros abrilistas e a mais ninguém.

Ricciardi disse...

«Foi colonizada por quem, ó pascácio?»
.
Pascácia é a senhora sobrinha da senhora sua tia.
.
Em suma, zazie, para ti a Inglaterra devia entrar por ali adentro e não permitir referendo algum. Certo?
.
Porque o pessoal não tem quereres. Quem tem quereres é o colono.
.
Olá Josand, a ONU por várias vezes instigou Portugal a fazer uma consulta à população. Não foi só a ONU. Foi o mundo todo. Por isso é que estavamos orgulhosamente sós.
.
Caetano queria o mesmo que eu digo, mas não teve mão na maquina, e deixou-se ir...
É pena. Mas era boa gente.
.
A Inglaterra descolonizou de africa de forma completamente diferente. E é por isso que os ingleses que lá estavam não sairam com uma mao atrás e outra à frente como nós saímos. Eles perceberam, porque não eram broncos, que 'mais vale ter uma na mão do que duas no soutien'.
.
Rb

zazie disse...

ahahaha

A senhora sobrinha da minha tia, manda dizer que Vossência é um pascácio reincidente.

Entrou por dentro de quem? Os romanos é que não entraram nos picos, seu tonto.

Ricciardi disse...

Além disso, oh zazie, por acaso os bifes usam saias e tocam gaita de foles?
.
Aquilo é outra gente. è obvio e notório que tem as suas coisinhas próprias. Cultura e tradições.
,
Eu se fosse escoces votava YES. Se fosse catalão votava SI. Se fosse madeirense votava NÃO.
.
E perguntas tu, mas porque votas não se fosse madeirense?
.
Porque a ideia de independencia é coisa que não está no coração dos madeirenses. Tão só no de alguns politicos que usam isso para obter beneficios dos 'Cûbanos de Lisboa'.
.
Rb

zazie disse...

Eles são Inglaterra, seu tolo. Há séculos que são tão inglaterra quanto os transmontanos são portugueses.

Querem deixar de ser Inglaterra agora.

Porquê?

Já pensaste no paradoxo desta febre independentista agora que dizem que somos todos manos globais da era do aquário?

zazie disse...

Acaso os lisboetas falam mirandês?

Acaso toda a malta dança o corridinho da Madeira?

So waht?

Estamos como os ancap- países por condomínio?

zazie disse...

Mas tudo bem.

V.s podem defender a bondade do xauvinismo extremo, do bairrismo, do fanatismo nacionalista.

Não podem é defender isto e depois benzerem-se por causa do famigerado "fascismo".

Ricciardi disse...

Eu não quero nada em especial. Apenas que quem tem interesse possa decidir. É só isto. Pronto.
.
Rb

zazie disse...

Interesse porquê?

De onde em esse interesse'

Porque é que aparece agora- no mundo globalizado, onde tudo é cada vez mais igual?

Essas questões é que me podem espicaçar a curiosidade.

O resto são tripas, é coisa de instintos primários da populaça.

Há quem os espicace também.

zazie disse...

O famigerado facismo tuga era uma vergonha porque só sabia fazer propaganda pela Pátria.

Era Deus, Pátria, Autoridade, como dizia o outro do filme.

O nacionalismo é o fascismo que até queria que os pretos fossem portugueses.

Uma coisa que mete nojo a qualquer progressista.

Então, como é que um progressista que tem pó a essa unidade nacional, pode vir-se com unidades fanatizadas desde que mais pequenas e precisamente para espatifarem as unidades maiores que foram sendo construídas?

Conta lá.

zazie disse...

Para o SNS e assim, para a ecologia, para os comboios, para os aviões, é sempre bom haver unidade maior.

Para a competição mercantil, ainda mais, porque os pequenos só se safam contra os tubarões se estiverem unidos.

Então qual é o interesse depois de andarem a marchar em nome das mini-independências que enfraquecem?

zazie disse...

è que eu sei a resposta teórica do CN.

Já a sei de cor. É a utopia medieval do neo-feudalismo por bairro.

O internacionalismo em micro-estado, de prefer~encia por bairro ou condomínio.

Agora a vossa, a dos socializantes do mercado e do resto é que me intriga.

André Miguel disse...

Já que falam aí nas colónias tugas, sabiam que o JES disse há bem pouco que quer ver Angola com os níveis de produção de energia e desenvolvimento de... adivinhem lá... 1973! Ah pois é...

Ora leiam:
http://sicnoticias.sapo.pt/opinionMakers/luis_ferreira_lopes/2014-09-15-o-xadrez-da-energia

http://portocanal.sapo.pt/noticia/36255/

simon disse...

Também, se há aí alguém
com direito a tomar-se à parte, independente, é que é escocês,
de saiote aos quadros, diferente .

Ricciardi disse...

Zazie, é ao contrario. As uniões enfraquecem as nações e tornam as mais pequenas subservientes de interesses terceiros. Pencudo que queira dominar a europa fá-lo facilmente através da Comissão e dos comissários e das directas que eles produzem. Não precisa da maçada de ter reinozinhos para dificultar a coisa.
.
Por outro lado ainda na semana passada um estudo veio demonstrar que os mais pequenos tem melhores possibilidades de sucesso e estabilidade.
.
O internacionalismo de que falas gosta exactamente do oposto de nações e estadozinhos. Queu mesmo imperios e unioes cada vez maiors até À implosão final.
.
A Escocia pertence ao UK, como Portugal pertence à UE. A independencia de Portugal será cada vez menor. Portugal deixará de existir como o conhecemos com o aprofundar da UE. Um dia os portugueses resolver querer voltar a ser totalmente independentes e virá a Zazie, creio, a dizer que não senhora que isso coisa de malucos.
.
Rb

Ricciardi disse...

Em suma, eu acho que cada povo deve poder escolher ser livre. Ainda que isso possa eventualmente ser pior no curto médio prazo. Não gostaria de viver num país com o qual já não me identifico e onde terceiros ditam o modo de vida.
.
Hoje o governo já não pode permitir que se mate o porco porque uma directiva da UE o proibe. Qualquer dia proibem um gajo de ter feriados religiosos católicos. Já não podemos produzir o leite que queremos. Muito menos produzir chouriços caseiros. Ele há directivas para todos os gostos.
.
As uniões tambem tem virtudes. Claro. A união faz a força quando força é necessária. Mas as uniões podem destruir as nações, na sua cultura e tradições.
.
Quando falo em uniões não me reiro a uniões economicas. Refiro-me a uniões politicas que é para aí que se caminha na UE.
.
Mas nem sempre pensei assim. Já fui paridário de uma união completa. Mas já não sou porque vejo o quão prejudcial isso está e vai ser para Portugal.
.
Rb

Ricciardi disse...

Portanto, se aquelas gentes da esoocia quer ser independente da UK, pois que escolha e assuma as responsabilidades.
.
A Inglaterra e a Escocia só tem a ganhar se fizerem a coisa a bem. Os bifes ameaçam com dificuldades várias. E compreendo isso. A escócia tem um peso maior do que se pensava na economia inglesa. Só para ilustar o petroleo do mar do norte fica em território escoces. E portanto ameaçam os escoceses com várias dificuldades: sair da UE, reter as pensões aos velhos escoceses etc.
.
É propaganda. A tal que é legitimo fazer e que pode ser feita sem guerras.
.
Mas estou mesmo convencido de que se ganhar o YES chegam rapidamente a acordo. Os ingleses nunca foram burros...
.
Rb

mujahedin مجاهدين disse...

Pencudo que queira dominar a europa fá-lo facilmente através da Comissão e dos comissários e das directas que eles produzem. Não precisa da maçada de ter reinozinhos para dificultar a coisa.
.


Eheheh...

Maçada?

Um conjunto de reinozinhos incapazes de sobreviver por si sós, inteiramente dependentes do cacauzinho que a comissão decidir enviar?

Hoje a Escócia. Amanhã Catalunha, Bascos, Córsega, a Bélgica dividida ao meio, a Ucrânia em risco de se dividir em três, quem sabe, talvez uma Sicília, depois de amanhã - pode sempre sonhar-se - o fim da Alemanha: o Sacro Império Bruxelo-Europeu ou A Europa das Regiões...

Ricciardi disse...

É como um conto de fadas. Já imaginou uma europa crivadinha de reinozinhos?
.
Não, um conjunto de reinos que se governam a si próprios e fazem trocas uns com os outros e vivem de acordo com as capacidade de cada um.
.
Se eu, grande financeiro e dominar de fundos fabulosos, prefiro ter um Durão ou um Von ou um Jean do que ter um Dom Afonso e mais um Dom Filipe e mais um Dom Guilherme e mais um...
.
É muito mais eficiente e simples pegar no Durão e leva-lo a passear no meu mega-iate e fazer passar as leis que eu quiser do que faze-lo com dezenas de Dom's que não se deixam comprar por meia duzia de tostões porque a vida deles é o reino.
.
Rb

zazie disse...

Vamos então à base do dito independentismo e do inverso.

O inverso começou por grupos étnicos diferentes se integrarem num mesmo espaço geográfico e passarem a conjugar as diferenças com um interesse comum. Uma língua comum, moeda comum; leis mais ou menso comuns e depois nacionalidade comum.

Isto significa desenvolvimento de tolerância e respeito pelas diferenças.

Neste caso, conseguiram durante 300 anos viver pacificamente com essas diferenças que são o dito folclore de todos os países.


Explica-me lá então de onde vem, 300 anos depois, o estímulo da xenofobia, da intolerância face ao país a que pertencem e o que há de bonito e estimável nisto.

O interesse económico fica para de3pois.

Eu só gostava de perceber porque é que a escardalhada, até nos jornais, anda a torcer pela xenofobia e racismo e adora imaginar que a Inglaterra vai levar quebra com isto.

Porquê?

A xenofobia e racismo tornos-se repentinamente um bom valor a estimular?

zazie disse...

O que tu estás a defender é liberalismo anarquista.

O mesmo com que sonha o CN e todos os ancap.

A globalização a proporcionar a fragmentação dos países europeus.

E dequem mais?

Até onde é que essa fragmentação é boa e onde é que nunca deve acontecer?

Os lebansraumzinhos não desaparecem; antes pelo contrário.

A quem interessa micro-estados que depois vão precisar de se integrar num Império maior?

zazie disse...

Mujah:

É litralmente isso.

Eu não tenho a panca das teorias de conspiração.

Mas este apoio com os Bernard-Henry_Levy a palrarem on the road pelo mesm, e agora. Agora no mundo globalizado, só pode ser isso.

Só pode ter o mesmo interesse de sempre.

Porque é que até o Floribundus qeu já nem é maçon mas ainda mantém lá a base da coisa também disse logo que a Escócia agora, depois nós, com a União Imbérica.

Porquê?


Porque é que o internacionalismo sempre esteve nas maos dos mesmos e militantemente?

zazie disse...

http://www.thejc.com/comment-and-debate/comment/117792/why-i-want-scottish-independence

http://www.thejc.com/comment-and-debate/columnists/116235/if-israel-can-survive-so-can-independent-scotland

zazie disse...

E estes pensam assim:

http://www.algemeiner.com/2014/09/16/scottish-rabbi-creator-of-jewish-tartan-says-jews-oppose-independence-interview/

“I don’t think a nationalist country has ever been good for Jews,” Jacobs said of fears within the 10,000-member community, and stressed “that if [the vote] went yes, anti-Jewish sentiments would increase.”

Ricciardi disse...

«Até onde é que essa fragmentação é boa e onde é que nunca deve acontecer?» zazie
.
Zazie, isto não tem a ver com ideologias. Tem a ver com bom senso.
.
O que dizes é que suspeitas que existe um movimento internacionalista qualquer e que isso é razão para não permitir aquilo que é justo.
.
O que é justo é que cada povo, que se identifica nas tradições, cultura, lingua, religião etc, diga o quer para ele próprio.
.
Olha, estás a ver Portugal?
.
Daqui a uns anos seremos uma mera região de uma entidade abstracta que se chama UE. Já somos em parte. Mas ainda não se deu a integração politica de facto, embora os politcos tenham de obedecer aos ditames das directivas emanadas de Bruxelas.
.
Não discuto se isso é bom ou mau para a economia. É outro assunto.
.
Agora imagina que daqui a 20 ou 50 anos, depois de uma união nas leis e na governança, achamos que queremos voltar a ser um país independente e governado por nós próprios porque chegamos à conclusão que deixamos de ser uma nação.
.
É da natureza humana fazer este percurso. Unir e desunir. Sempre foi assim. Quando nos unimos temos um sonho e um ideia de paraiso, mas depois inoxeravelmente vamos verificando que, afinal, estamos metidos num inferno.
.
É por isso que os imperios acabam. Morrem de podres.
.
Este movimento de unir e desunir vai continuar para sempre. Alguns tentam com guerras evita-lo, mas não é possivel manter uma situação onde a população quer uma coisa diferente daquele que quem governa quer.
.
Daí que eu apoie sempre aqueles que querem sair ou entrar. Em plena liberdade, desde que se obedeça a critérios de precaução, isto é, que se espere o tempo suficiente para perceber as reais aspirações de cada povo-nação e que não se trata de um qualquer oportunismo.
.
No caso da escocia se eles decidirem pelo YES ou pelo NO é perfeito. Dsfazer uma união é coisa que nem devia levantar qualquer problema, a não ser para os proprios escoceses.
.
A questão da Catalunha é diferente porque não se trata de uma união. É parte do território continental de espanha. E portanto merece analise mais cuidada para perceber se não se justificaria antes aprofundar ainda mais a autonomia catalã.
.
Rb

Ricciardi disse...

E não me metas associado a ideologias porque eu não sou nada dessas coisas. Tanto partilho ideias com umas como com outras. Mas tenho sempre as minhas próprias sem me deter no que pensam os gurus.
.
Às vezes calha ser confundido com um liberal ancap, outras vezes com um comunista, outras ainda com um autocrata salazarento. Uma espécie de tudo e quase nada.
.
Agora, da esquerda partilho muito poucas coisas. Mas como agora chamam de esquerda a tudo o que mexe por trás da figueira...
.
Rb

zazie disse...

À espera do dia da independência, com inveja do referendo escocês

título do Público.

E depois já se vêm com o efeito dominó: a seguir Gales, a seghuir a Catalunha e o País Basco.

Que é isto?

O que é que aqules c******s escardalhos do Público também querem?

zazie disse...

Desculpa lá mas não estás dizer nada de jeito.

Estás a falar como uma dona de casa e para donas de casa não tenho tempo.

Se aparecer alguém com cabeça e que saiba pensar em vez de vir com palpitações e afrontamentos e cenas de justiça, converso.

Ricciardi disse...

Ok, és perfeitamente livre de escolher com quem te queres relacionar. :)
.
Rb

Ricciardi disse...

Mas olha, esta dona de casa nem sabia que o CN defendia o mesmo que eu. Andei a malhar nele sem necessidade nenhuma.
.
Oh CN desculpe lá pá. Essa parte de dos Ancap não conhecia... mas partilho.
.
Rb

zazie disse...

Eu não disse que suspeito de um movimento mundial de judeus a promoverem isto.

Disse que até na Escócia a divisão passa pelo peso da comunidade judaica e efeitos nela.

E questiono-me de onde vem esta convergência entre escardalhada e anarquistas liberais no efeito dominó e vontade de desmembrar de nacvionalidades.

Apenas isto.

A escardalhada vem-se com estas merdas independentistas.

Sempre se vieram. Sempre apoiaram os terrorismos da EtA ou da Irlanda, á vez.

Se a ideologia deles até era de extrema-direita, não importava. O qeu imporgava era sempre a vontade de desmembar nações.

E é isto que está agora na ordem do dia. Com esta vontade de efeito dominó.

Porquê?

Eu interrogo-me porque nada disto tem a ver com justiças descobertas de um dia para o outro, depois de viverem séculos em paz.

É outra cena. Há-de ser efeito de fim de civlização. São primitivismos, como diria o Barzun.

zazie disse...

ehehehehe

És uma dona de casa muito pouco perspicaz

":OP

Ricciardi disse...

Pois sou. Eu acreditei no pai Natal até muito tarde. Era um bocado violento a quem dissesse que ele não existia. Para mim existia. E depois, claro, apanhavam nas 'bentas' porque gozavam comigo por eu ainda acreditar no pai natal. Ainda hoje tenho este trauma dos risos deles e da vergonha de não ter tido a perspicácia em perceber que ele não existia.
.
Hoje, eu digo que ele não existe para não passar vergonhas. Mas acho mesmo que ele existe. É nisso que o meu filho acredita, se bem que eu, para que ele não passe pelo mesmo que eu, transformei o pai natal em Menino Jesus. Mas a porra da publicidade contraria-me nesta abordagem.
.
E o ratinho dos dentes?
.
Rb

Ricciardi disse...

E a Maria Gancha?
.
O meu terror. Se espretasse para o fundo de um poço ou para uma piscina ou tanque a Maria Gancha puxava-me.
.
Eu tinha pavor à Maria Gancha. Ela só desaparecia quando um adulto estivesse por perto.
.
aii
.
Rb

zazie disse...

Também acreditei nisso tudo e contei as mesmas histórias ao meu pimpolho.

Às vezes acho qeu ainda acredito no Tio Patinhas.

Olha, para o caso nada tem a ver.

Vais ver que quando entenderes de onde vem essa tua afinidade com os gurus do CN, acabas por fazer outra descoberta de motivação comum.

":OP

(Dizem que tenho o dom de tirar retratos com a rapidez de um Columbo)

zazie disse...

Neste caso nem foi preciso usar dom algum.

Leio o CN há muito e percebi logo a cena ancap.

Como é óbvio, a grande pancada deles contra "o monopólio da violência" só podia ter como fundamento a inexistência de patriotismo que se desfaz na tal identidade por etnia ou condomínio.

Por mera coincidência os gurus eram judeus.

Mas foi por acaso. Podiam não ser. Há muito mais grupos que têm identidade por etnia a quem a nacionalidade é sempre coisa secundária.

zazie disse...

Agora a parte que eu mordo nisto é a doutrina da integração de todos- à United Colors of Benetton e depois a intolerância e exclusão de tudo o que não é absolutamente igual e com as mesmas embirrações viscerais primitivas aos vizinhos.

zazie disse...

O joão Miranda também é ancap e diz o mesmo mas com menos choradinhos e folclore anti-colonialista:

http://blasfemias.net/2014/09/18/independencia-da-escocia-e-uniao-europeia/

É isto. E é este esquema que aplicam em tudo, incluindo com a Ucrãnia Rússia e Crimeia.

Não há contradição, ao contrário do que para aí disseram.

Ricciardi disse...

Já viste este video?
.
http://www.theguardian.com/politics/video/2014/sep/17/scottish-referendum-explained-for-non-brits-video
.
Rb

zazie disse...

Vi. So what? já sabia a história da Escócia.

Nada disso explica a motivação 300 anos depois.

Estás a esquecer-te que a cena de Povo Eleito a contar nacionalidade desde a Pré-História só tem um exemplo no planeta Terra.

zazie disse...

Estás a projectar. Os escoceses são goym, pá

":OP

Ricciardi disse...

Então, mas olha lá, se os escoceses quiserem deixar de comer bife tu tens alguma coisa a ver com caso?
.
Enjoaram.
.
Tu confundes tudo. Não és uma dona de casa, mas às vezes tens ares de comerciante do bolhão.
.
Tu fazes um julgamento acerca do que os escoceses querem ou deixam de querer.
.
Esse julgamento são eles que tem de fazer.
.
Eu não digo nada disso. É lá com eles. Manter eventualmente um país numa união contra a sua vontade não é coisa boa. Se a vontade for de permanecer na união, como me parece que vai ser, então fica demonstrado que os ingleses agiram bem dando espaço a pronuncia a quem é escoces.
.
Oh freguesa toca aí a na gaita de foles a ber se eu danço, carago. Olha o carapau frequinho mori.
.
Rb

Ricciardi disse...

Esta mania de julgar que os outros são parvos e que não podem escolher é uma loucura. E não venhas com goyins e mais as projeções com o diabo a quatro.
.
A prova que eles pugnam pela independencia não é coisa recente. É antiga que se arrastou até aos dias de hoje. E pode ser um bom momento para, finalmente, eles decidirem. Não estamos própriamente a falar em meia duzia de malucos adpetos da independencia do norte.
.
A julgar pelas sondagens o YES tem pouco menos de metade. Isso quer dizer que quase metade da população tem essa ideia. A outra metade tem aqueles que a rejeitam liminarmente (que são poucos) e há aqueles que temem efeitos negativos.
.
Rb

zazie disse...

Olha aqui:

E se a resposta for não.

Como é?

Pela tua lógica não tiveram direito a "justiça".

zazie disse...

Por acaso estou mesmo a torcer pelo Não.

Porque esta é daquelas cenas que me irrita.

Irritam-me os refernedos que fingem ter duas alternativas em pé de igualdade e depois consideram que uma é reaccionária e só o SIM é que é bom.

e já estão a fazer contas com o tal efeito dominó.

Dividir para reinar.

E tenho cá um dedinho que adivinha que vão levar grande banhada.

Só por coisas, era muito bem-feito se tivessem de enfiar a viola no saco

zazie disse...

Quem está a julgar és tu e o teu interesse no SIM é mesmo projecção de efeito pencudo.

Não há outra explicação.

Toda essa trampa anarquista é pencuda de teoria e tudo com o o que esses gurus sonharam sempre foi dividir e conseguir terreno sem precisarem de reconhecer pátria alguma.

Ricciardi disse...

Epá, tu não lês. Se ganhar o NO está muito bem e sai reforçada a união. Onde é que está o problema.
.
Eu não torço pelo YES. Apenas desejo que eles sejam o que quiserem ser.
.
Rb

zazie disse...

Ok.

És um legalistazinho

E vais ficar um legalistazinho murcho

":OP

Ricciardi disse...

Legalista é o contrário, bolas. legalista é não ser possivel pelas leis a independencia e não se permitir sequer discutir a coisa.
.
Legalistazinha erecta, vá.
.
Rb

zazie disse...

Mas eu nunca disse que devia ser proibido.

Digo é que há manipulação dos instintos mais primários das pessoas.

É como o bairrismo do Porto. Tem piada se não sair dos limites.

Se sair, fede.

O mesmo com os das ilhas. Até certo ponto tem piada e faz parte da manutenção das identidades. Mais que isso é negar a Pátria.

Aliás, a finalidade teórica dos gurus ancap é literalmente essa.

Ricciardi disse...

Então estamos quase de acordo. O bairrismo do Porto não passa disso mesmo. Coisa menor sem significado e que não é partilhado pela esmagadora maioria dos portuenses. É coisa que tem a ver com o futebois.
.
Coisa bem distinta é o caso Catalão. Ali parece haver um sentimento generalizado. Espanha aliás é um junção de reinos. Os galegos não querem ser espanhois. Os bascos tambem não. Os catalães tambem não.
.
Os portuenses não querem deixar de ser portugueses.
.
Rb

zazie disse...

Pois é. Estamos de acordo.

E os escoceses vão continuar a ser ingleses

":OP

Ricciardi disse...

... e não foi preciso fazer guerra alguma.
.
Rb

zazie disse...

Não compares o incomparável.

Compara então a Ucrânia com o Kosovo.

zazie disse...

Aqui: certeiro

http://combustoes.blogspot.pt/2014/09/a-uniao-europeia-epifenomeno-da.html

zazie disse...

Embrulhem

":OP